Translate

terça-feira, 16 de junho de 2015

Qualquer Vírgula

Conversando com algumas pessoas que sempre souberam me dar bons conselhos, eu descobri que o que eu coloquei na minha vida ultimamente não foram reticências, foram vírgulas e vírgulas. Infinitas vírgulas. E, não vai ser qualquer vírgula que irá parar a minha história.

Era tudo o que eu precisava ouvir de outros e não de mim mesma: todos erramos. O que eu não podemos é continuar no erro, vivendo uma vida que não é a nossa, sendo alguém que não somos.

Não vai ser qualquer vírgula!

Eu não posso me permitir perder minha identidade, ser alguém que não estou acostumada a ser desde quando eu cresci. Desde o dia que me entendi por gente.

Nunca soube aceitar meus erros. Evito errar não por ser uma pessoa boa, mas porque eu sei como eu fico após uma queda. Eu sei quem eu sou. Posso ter me esquecido, mas agora me lembro.

Cuidar de minha vida! A vida que eu tenho que viver. Voltarei a ser a incansável eu, metida a certinha, estudiosa, comedora de caderno, careta, estranha, esquisita e que afunda a cara em temporadas de seriados quando está triste, no lugar de sair de casa achando que vai estrelar "Vivendo A Vida Adoidado".

Sou eu quem tem cara de simpática, mas prefere ficar sozinha. Quem gosta do frio, quem sonha acordada e quem medita no travesseiro antes de dormir.

Não vai ser qualquer vírgula!

Estou pronta para ter meu sorriso de volta no rosto.

Acho que começo a ver as portas do céu abertas para mim de novo. Eu sei quem eu sou e sem mais histórias de querer dar pause nesse caminho. Já tive minha dose de decepção que eu poderia ter vivido sem ter tomado.

Boa noite!


*Ouvindo minha mãe falar*

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leu a postagem? Então não deixe de comentar. Abraços e que Jesus os abençoe, Elisa Macedo.