Translate

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

London - England 2013
E você acorda chorando no meio da noite. Um sonho tão bom que o acordar te desespera. A fuga do real hoje é a fuga para o real. Não querer parar de correr. Não querer. Seguir em frente sem olhar pra trás. A fuga do real é correr para o real.
E você acorda no meio do dia. Depois de tomar um copo de café no seu trabalho e perceber que nada é igual. Você não está no lugar certo. Existe um lugar certo. Onde você não está.
Mas. Estará.

Elisa Macedo.

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Membro novo na família

Pequeno Turcan caçando confusão
com a Liane. kkkk
Descobri que preciso desenvolver em mim a capacidade de demonstrar afetos e, nada melhor do que ter um bichinho de estimação para isso. Pois bem, a partir de agora, começa minhas histórias com o Totó, Turcan!
Ele já chegou fazendo bagunça, minha mãe fazendo milhões de ameaças pra ele, meu pai cedendo aos pouquinhos, bom, acho que ele já se sente parte da família. Tanto que já até dormiu.
Bom, vou parar de fazer barulho digitando. Deixar ele dormir e amanhã conto como foi o dia 1 dele.
Boa noite, que Jesus os abençoe.

Elisa Macedo.

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

All of me

Guimarães - Portugal
Foto: Elisa Macedo
I left pieces of me and now I'm not complete.
I left pieces of me with you.
I left my own and now, I don't know how to find.


Elisa Macedo.

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Eu tenho que dizer que amo o Brasil...

É engraçado ver o que incomoda.
É engraçado de mais parar para perceber o que realmente incomoda as pessoas. Não tem nem uma semana que eu estou de volta e tudo parece exatamente como antes, nada mudou... Aqui.
O brasileiro não se importa se você é eficiente, ou o que seja. O Brasileiro se incomoda com o seu jeito de andar, de falar, de vestir e de se comportar. Se você não faz nada da vida em silêncio, que se dane! Se você faz o que deve ser feito com barulho: apedrejamento.
Sinto falta dos seres um pouco mais racionais, que não me interessa o que as outras pessoas venham dizer "que na Europa também há crápulas", "que nas história da Europa o povo blá-blá-blá"... Comigo, estou falando da particularidade e unicidade do indivíduo particular que sou eu, comigo não foi assim.
Eu já estou mais cansada em uma semana aqui do que em quase seis meses por lá.
Aqui, algumas pessoas me cansam e elas se cansam facilmente comigo.
É como se eu estivesse no lugar errado, pois o jeitinho brasileiro foi feito para brasileiros que se adaptam a receber e praticar esse jeito maroto. Eu não!
Vejo uma porta que se abriu quase fechando, antes mesmo que eu termine de passar por ela. Mas, quer saber, QUE SE DANE!
Se tem uma coisa que eu aprendi nessas viagens doidas da vida: DINHEIRO NENHUM NO MUNDO PAGA MINHA FELICIDADE.
Hoje foi. Graças a Deus fim de semana vem ai para eu respirar e tentar fugir dos policiais do bom comportamento, mas duvido muito que eu consiga.
Quando eu digo que o sistema brasileiro te obriga a ser corrupto ninguém acredita em mim... Mas, é assim. Se você for corrupto em silêncio, que se dane o mundo. Agora, não tente ser honesto e trabalhador com sua personalidade, a santíssima inquisição brasileira te aguarda.

Bem vindo ao país onde as pessoas não sabem lidar com quem tem personalidades diferentes!

Boa tarde,

Nota: Nada pior para os demais do que ter minha pessoa por perto desmotivada.

Elisa Macedo, do CT de uma CH.

sábado, 8 de fevereiro de 2014

Agonia

Cadê? Cadê o esqueiro? Cadê?
Cadê a toalha? Cadê? Cadê?
Cadê minhas coisas? Cadê?
Cadê meu quarto? Cadê? Cadê? Cadê?
Cadê? Cadê eu? Cadê?
Cadê tudo? Cadê todo mundo? Cadê?
Cadê? Cadê a realidade?
Cadê o sonho que se tornou verdade?
Cadê? Cadê? Cadê?

Texto Elisa Macedo

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Os melhores dias da minha vida

Foto: Lucas Toniolo
Vou olhar pra trás com alegria, ter no coração mais que um sentimento. Uma canção, não será uma canção. Frio, jamais será o mesmo.
Os melhores dias da minha vida...
Preciso me obrigar a dizer adeus para eles, para que eles virem apenas bons e outros melhores possam vir. Porém não posso negar, dias maravilhosos vivi.

Note: I've left my heart in Budapest, in Vienna, in Faro, Albufeira, Portimão, Tavira, Lagos, Porto, Lisbon, Huelva, El Rocio, Sevilla, Paris and in London. I feel like who needs to come back some day in all this places and take it away again to some another place. This is not a good bye Europe, it is not!

Elisa Macedo, de Portugal.