Translate

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Paris - França

No aeroporto de Lisboa, esperando meu voo para Paris
Como prometido, aqui vai o post com informações para quem deseja fazer a loucura de ir à Paris desacompanhado. Tome nota, será de extrema importância, falarei desde situações corriqueiras até transfers para o aeroporto e para a cidade!

1- As máquinas de Paris não devolvem troco.
E, algumas vezes, nem as pessoas. Fiquem ligados com isso. Se você precisar colocar crédito no telefone para ligar para alguém, comprar alguma guloseima ou água, suco, coisas do tipo nas maquininhas e colocar um valor acima do preço a máquina não irá lhe devolver o excedente.
Aprendi isso da pior forma: colocando uma nota de 5 Euros para pagar algo de 1 Euro.

2- Os franceses falam inglês, só não gostam.
Não tive muita dificuldade de me  comunicar com eles por arranhar (muito arranhado) um pouco do francês e, quando acabava vocabulário, paciência de ambas as partes, eu pulava para o inglês e eles preferiam. A questão é que eles vão entender ou não o inglês se for do interesse deles.
Chegando à Paris
Por exemplo, fui comprar um cartão para meu celular e a atendente entendeu errado e me deu um cartão de recarga. Eu falei que não era isso que eu tinha pedido, ela disse "sinto muito!" e, além de não ter devolvido o meu dinheiro, começou a falar em francês dizendo que foi aquilo que eu tinha pedido para a chefe dela. Eu que entendo francês falei "não. Não foi isso que eu pedi. Como eu ia te pedir recarga sendo que informei que estou sem o chip que funcione no meu celular?". Ai, ela e a chefe que até então "não entendia bem o inglês" começaram a me responder em francês o que eu estava a falar em inglês.
Teve uma amiga minha que passou situação pior, foi sobre o aluguel de uma casa. Conselho, falando ou não falando francês fique ligado, pois ai vai o toque 3.

3- Pelo menos em Paris, o povo é muito mercenário.
Tudo é pago. É perigoso você correr o risco de pagar para ter informações e, mesmo você tendo pago, eles não se sentem na obrigação de cumprir com o serviço ou em ver o seu bem estar. Tem aquela história do povo do nariz em pé? Então, acho que foi criada lá. Não é possível!

Foto: Elisa Macedo (creiam)
4- Não pegue táxi.
Taxista europeu não é digno da minha confiança desde meu primeiro dia por aqui. No entanto, reparei que não era coisa só dos portugueses. Para terem uma noção, como a arquitetura dos prédios em algumas ruas são muito parecidas, eu acabei me perdendo da direção do ponto de ônibus que iria para o aeroporto por apenas 10 Euros (o que é muito barato para uma viagem extremamente longa, para um aeroporto muito grande e fácil de se perder).
Sendo assim, perguntei em uma loja perto do ponto onde eu podia tomar minha condução para ir ao aeroporto e um abençoado de um taxista, que brotou do nada, queria que eu fosse de táxi para um lugar que era menos de 2 minutos de distância. E, ele ainda falou "mas, mesmo assim, tome um táxi". Fala sério!

5- Use metrô.
Paris é uma cidade muito grande e, para quem está indo sozinho, ela é perigosa e assustadora. O metrô não é nenhum padrão de qualidade, limpeza e segurança, por isso, procure sempre ficar perto das multidões, com a bolsa para frente e nunca, mas nunca, mas nunca mesmo abaixe a guarda. Com o metrô você consegue conhecer a cidade de ponta à ponta, principalmente se não tiver com muita disposição e tempo para ir em todos os pontos considerados "turísticos", por que para mim, a cidade toda é digna de ser conhecida, até mesmo o subúrbio, onde você encontra de tudo!
Academia Nacional de Música
No metrô você ainda corre o risco de receber um concerto grátis de artistas de rua, ou de estação - se é que isso existe-, e ainda ver a paisagem com um belo fundo musical. Reparei que a população local não gosta nenhum pouco, mas os turistas se divertem com essas atrações.

6- Use transfer.
Existe uma rede de ônibus chamada Roissy bus, que faz o trajeto aeroporto Charles de Gaulle para a área central e deste lugar até o aeroporto por apenas 10 Euros. O ônibus para perto da estação de metrô Opera, perto da Academia Nacional de Música, a menos de 1 minuto do Museu do Louvre. Ou seja, tendo este ponto como marco da viagem, não há como ficar perdido. Chegou ali, já sabe como se virar!

7- Evite andar durante à noite sozinho e em lugares isolados.
Foto tirada por uma adolescente aleatória
Claro que isso vale para qualquer lugar, mas como costumamos nos arriscar em cidades turísticas, gostaria de deixar isso bem claro aqui.

8- Cuidado ao pedir para alguém tirar uma foto para você.
Geralmente quem viaja sozinho se sente meio chateado por ter lugares legais, luz ideal e estar vendo aquela cena, fotografar o momento e ver que poderia ter uma foto ali, mas não tem ninguém para tirar a foto. Ai é que entra os conselhos que recebi antes da viagem. Peça sempre pessoas que aparentem ter mais de 30 ou 40 anos, adolescentes do sexo feminino com celulares e câmeras na mão, pessoas em grandes grupos e grupo de pessoas que pareçam uma família. Bom, foi assim que eu fiz. Claro que não consegui muitas fotos minhas em Paris, mas as poucas que consegui foram boas e, gostaria de agradecer ao povo Suíço que por onde eu tenho viajado e conhecido alguém de lá, são maravilhosos e educados. Quanto a isso, posto algo especial depois.
Como alguém iria fugir da Torre Eifel com
minha câmera?^^
A escolha desse grupo de pessoas para tirar as suas fotos é óbvias, são indivíduos que terão dificuldades em fugir caso roubem sua câmera, pois sempre haverá um alguém do grupo dele por perto para você agarrar e gritar a socorro, em francês, de preferência.
Mas, tome sempre cuidado. As aparências enganam!

9- Paris é uma cidade cara.
Além das máquinas que não devolvem troco, tudo em Paris é 3 ou 4 vezes mais o valor do que os mesmos produtos têm em Portugal. Para se ter uma ideia, uma boina em Paris em lojas fuleiras custa em média 8,50 Euros, enquanto o mesmo produto em Portugal pode ser comprado por 2 Euros, 5 Euros na pior das hipóteses.
A comida também é muito cara. Você não vai encontrar sanduíche por menos de 5 Euros. Será muito gostoso, com toda certeza, mas é caro de mais para quem está mochilando e não irá comer apenas um durante o dia. Então, leve sempre abastecimento e compre somente quando for necessário.
Eu vi uma loja da Subway super baratinha, coisa de 2 e 3 Euros, mas resolvi comer em casa mesmo.

Foto: Elisa Macedo
10- Paris é linda e vale a pena visitar, programe-se!
Por mais que alguém esteja a pensar em viajar sozinho, Paris continua valendo a pena, embora se tenha criado o imaginário de que ela é a cidade do amor, a cidade luz, a cidade blá-blá-blá. Realmente, imagino que acompanhado de amigos e familiares a viagem seja mais emocionante e com mais coisas para se ver e comentar, no entanto, foi uma experiência única para mim. Algo que nunca tinha passado pela minha cabeça dessa forma, mas foi bem interessante.
Mas, se for viajar sozinho, planeje-se melhor. No meu caso foi uma falha nos sistemas de comunicação que acabou provocando meu desencontro com meus amigos, mas se você já está indo de caso pensado, programe-se, esse é o melhor conselho que tenho a dizer.

Que Jesus Cristo os abençoe,

Elisa Macedo.

domingo, 22 de dezembro de 2013

INTERROMPEMOS A PROGRAMAÇÃO ZOPA DIARY - Au Revoir


Foto: Elisa Macedo
Hoje almocei em Paris e jantei em Londres. Pois é, já não estou mais na cidade "de l'amour". Tecnicamente, não estou nem na Europa. Bom, mas quanto as burocracias necessárias britânicas eu falo mais para frente, afinal, temos tempo para falar adiante sobre o Reino Unido.
A realidade é que Paris é linda! Não posso negar. Mas, muito além dos clichês verdadeiros "cidade luz", "uma das cidades mais lindas do mundo", "um lugar que não se dá para visitar sozinho" e um monte de outras sentenças mundialmente conhecidas, Paris é uma cidade muito perigosa.
Embora um dos meus amigos Erasmus tenha me alertado para este fato, eu não esperava me sentir tão insegura em um lugar! A gente só descobre que só temos Jesus, quando Ele é a única coisa que nós conseguimos ver que temos.
Como me perdi das minhas amigas, ou melhor, nem cheguei a encontra-las, passei os dois dias no melhor estilo eu e Deus conhecendo essa cidade. Vi muitas coisas de espantar!
França - Paris
Vi cultura erudita saindo pelos poros da população, a aversão ao idioma estrangeiro, que não é novidade. Descobri também que o francês é muito mercenário, se formos tirar por base o povo que eu conheci e tive contato por lá. Outra coisa, não bastasse a gana por dinheiro, eles não devolvem o troco por nada!
Vou fazer um post só sobre as coisas interessantes de Paris amanhã.
Hoje estou aqui para dar notícias, uma vez que fiquei incomunicável por dois dias.
Amados amigos, conhecidos, seguidores e quem brotou aqui por acaso amanhã trarei informações de maior cunho relevante como "lugares para visitar", "lugares para passar longe", "primeira vez em Paris, o que fazer", "sozinho em Paris, como sobreviver" e coisas do tipo. No mais, só tenho a agradecer meu bom Jesus, Ele foi meu melhor amigo nessa viagem, não que não fosse nas outras, mas nessa eu acho que eu o percebi mais, nem que seja por aspectos tão diferentes.
Ore ao redor do mundo!
Bom, agora vou tirar uma soneca, estou muito cansada.


Beijos e abraços, que Jesus Cristo os abençoe.

Nota: Volto com o Zopa Diary quando eu voltar para Portugal, ou para qualquer outro lugar da Europa. As informações sobre o Reino Unido estarão no tag UK.

Elisa Macedo, da Inglaterra.

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

122º Dia - Onde Tudo Começou


No Meio do Nada
Sentada no chão brilhante do aeroporto de Lisboa, estou eu digitando essa postagem, vivendo as emoções do momento, carregando uns episódios de uma boa série e conversando com minha mãe e lembrando de como foi a primeira vez que cheguei aqui, em Portugal. Um desmaio, um tombo, tantas informações básicas que eu não sabia e que teriam me ajudado tanto a economizar dinheiro, tempo e energia física e emocional... Bom, agora eu estou indo para uma nova aventura, para um lugar também novo, porém espero dessa vez não passar tanto aperto.
Vamos lá, eu e Deus, curtindo mais uma emoção longe de casa. Melhor estilo "vida louca", aprendendo a me virar sozinha e a depender de Deus.
Aprendendo também uns macetes:

1- Como estou sozinha, resolvi ficar num lugar super visível, cheio de pessoas (ainda que o aeroporto esteja praticamente fechado), de baixo das câmeras e fazendo barulho. Tudo isso porque eu quero que as pessoas me vejam. Sim, e não é exibicionismo, mas questão de segurança.
2- O chão vira colchão. Sério, tem que ser humilde e até que ele não é tão frio assim, não. Estou de frente para o aquecedor.
3- Fique de olhos abertos! Essa, não precisa nem de mais explicações.
Em Algum Lugar de Portugal...

Minha primeira viagem sem turma, ou parceria humana durante o percurso. O mais engraçado é que eu sempre pensei que me sentiria sozinha ao viajar sem ninguém, assim.. Olha, sendo bem sincera, até que não. A viagem para Lisboa foi linda. Parece que passei por uma parte diferente do caminho, tive uma parada no meio do nada.
Segundo o motorista, estávamos no meio do deserto. Acho que ele quis dizer que eu estava em um lugar deserto! hahahahahh Enfim, como ele mesmo disse quando eu perguntei onde estávamos, "no meio do nada". Mas, até o nada é bonito, gente! hahahah

Bom, vamos que vamos e que Jesus Cristo me abençoe e, os abençoe também.

Elisa Macedo, saindo de Portugal. ;)

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

121ª Dia - Mudanças

Foto: Júlia Dini
Quando somos transportados para outro lugar, com outras pessoas e uma nova realidade, somos obrigados a nos enxergar fora do contexto que estamos acostumados. Vemos uma nova pessoa que nós não conhecíamos e morava conosco durante todo esse tempo.
Podemos contemplar nossas próprias reações diante de acontecimentos repetidos, mas que por serem em outra realidade, parecem totalmente diferentes. Muitos acham que mudam depois de uma experiência assim, e, realmente mudam. Mas, a maior parte do que chamamos de mudança é a descoberta de coisas velhas sobre nós que desconhecíamos ou ignorávamos.
Hoje eu sou uma ilha um pouco mais conhecida. Sei um pouco mais de mim e isso me deixa intrigada, pois agora vejo uma parte do quanto eu não conheço e isso é muito grande.
Muito grande para eu ignorar novamente. Muito grande para eu dizer que ão valeu a pena, para eu achar que continuarei sendo a mesma. Pois, não sou. E, se sou, sou para os outros. Para mim, sou um novo alguém que surgiu de uma cortina de fumaça de uma repartição da minha vida que eu não entendia muito bem.
Sinto-me bem! Sinto-me viva! Sinto-me nova! Sinto-me velha! Cresci!
Agora é olhar para as malas prontas outra vez e ir em busca de uma nova direção, novas histórias e descobertas.
Dessa última, descobri que ser mãe pode ser algo lindo, bom e prazeroso. O que mais posso descobrir com e nesta vida? Bom, não sei. Sei que estou de malas prontas para descobrir e viver.
Novos caminhos, novas descobertas. Mudanças!

Que Jesus Cristo os abençoe,

Elisa Macedo, de Portugal.

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

120º Dia - Luzes Apagadas

Foto: Lucas Ramos
Algumas vezes em nossas vidas, certas luzes precisam se apagar para que venhamos sabermos que um dia elas foram fortes. Para sabermos  que um dia ela mostrou muitas coisas. Coisas que antes achávamos imagens vistas pela penumbra, mas quando essa luz se apaga, sabemos o quão forte ela era.
Meus dias de Erasmus, ou quase isso, irão se acabar amanhã. Depois disso, serei uma mera turista pela Europa, até enfim voltar para casa.

Boa noite, que Jesus Cristo os abençoe.

Elisa Macedo, de Portugal.

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

113º Dia - Moving On

 Por mais que o tempo tenha passado, algumas coisas na nossa vida parecem que não saem do lugar. Mas, apenas parecem.
Hoje tive a oportunidade de ver que as coisas sim saíram do lugar e, o que mais me deixa feliz é saber que eu quem saí. É saber que eu mudei, que sou diferente, que não sou a mesma pessoa de alguns anos atrás. Em alguns aspectos guardo partes de mim, pois somos uma metamorfose a partir do que existia anteriormente, mas, uma metamorfose. Que mudança!
Eu não sabia que tinha mudado tanto, até me deparar com pessoas que não mudaram em nada (pelo menos aparentemente). Bom, o que eu tenho a dizer além de que "este passageiro está em outra estação. Em outra estação de trem"?

Boa matina, Jesus os abençoe.

Nota: Às vezes é bom olhar para o passado e acabar com alguns sonhos de criança. Sonhos de  criança são para crianças realizarem. Creio que, em alguns aspectos, eu cresci.

Elisa Macedo, de Portugal.

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

111º Dia - Cidade Pequena

Sim, eu amaria se tivesse nascido há 50 anos.


Bom dia, Jesus os abençoe.


Elisa Macedo.

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

108º Dia - Useless

Não desejo um dia assim para ninguém!


Jesus os abençoe e os dê o que fazer.


Elisa Macedo, do Tédio.

107 Dia - Fim do Lindo Mundo da Imaginação




 Estou com saudades de quem é de verdade. Por meses eu me recusei a postar esse texto, no entanto, como já está todo mundo pensando assim "que se dane, estou indo embora", então "que se dane, já foram embora há muito tempo".
A principal questão de se fazer uma viagem com dia marcado para voltar é que a maioria das pessoas se comportam tão superficialmente, tão rasamente, tão "nem aí", porque não irão criar vínculos com ninguém que terão que abandonar em dois, ou três meses, que eles simplesmente acham que só por não ficarem por um longo período na vida das pessoas, podem fazer a baderna que quiserem e ir embora na mesma data que suas passagens estão compradas. Mas, o pior que não criar vínculos é que todo mundo cria coragem, mesmo sem bebidas, para dizer uns nas faces dos outros o que realmente estão pensando. E, eu imagino que se fosse para falarmos tudo o que pensamos, nossas vozes acompanhariam a velocidade do nosso pensamento.
É uma tristeza sem fim ver que o ser humano é mesquinho, egoísta e tão cheio de personalidades. Muda a cada estação! A cada conversa de cinco minutos com alguém diferente mudam suas opiniões sobre tudo e sobre todos. Pessoas que num dia estão na festa com todo mundo, brincando e sorrindo, no outro, simplesmente, ignora a todos aqueles que ontem nas fotos eram os "melhores amigos do mundo" (do mundo mesmo!).
Outros são mais grossos. Como sabem que são sozinhos, que todos percebem sua solidão, brincam de fazer de conta que eles quem afastam as pessoas e não as pessoas que se afastam deles. É como se isso fosse consolar o coração de alguém que só precisa ser um pouco menos egoísta e não será assim tão sozinho.
Essa experiência de intercâmbio veio para me chocar!
Veio para me mostrar que o problema não é o Brasil, não é Minas Gerais, não é minha região, as pessoas que eu conheço, ou mesmo eu, por algumas vezes. O problema somos todos nós!
Isso foi bom para mim. Antes, eu era uma pessoa que me importava muito. Depois que eu vi que o povo que é louco mesmo, eu já não me importo com quase mais nada. E, para não me tornar igual a eles, simplesmente me importo com aquilo que realmente deve ser importante para mim: lidar com o meu próximo sem se importar se ele é um "Zé", ou não.
Se não fosse assim, há muito já teria feito o que todos fazem e, eu te garanto, quando eu entro nessa brincadeira de ser ser humano eu não sei perder! Quando eu era criança, já tive milhares de adultos mandando eu controlar as palavras... Pois, aprendi. Aprendi e foi difícil aprender e, mesmo que os anos tenham passado, ainda é muito difícil controlar minha boquinha quando escuto pessoas com comportamento tão imbecil, falando tantas asneiras que minha vontade é dar aquela resposta que meu lado humano acha que eles merecem.
Mas, prefiro fazer o papel de boba. Afinal, uma das frases que tem me ajudado a manter o minimo da relação amistosa com aqueles que me feriram e não retrucar fazendo o que eles querem que eu faça é a seguinte:

MELHOR TER SALVAÇÃO DO QUE TER RAZÃO!


Beijos e que Jesus possa mudar o caráter de muita gente que conheci por aqui, dos que conheci por lá e o meu também.

Elisa Macedo, do Planta Terra habitado por seres estranhos que se denominam humanos.

domingo, 8 de dezembro de 2013

106º Dia - Lição

Foto: Daniella Ananias
Você não pode deixar que lidar com pessoas estranhas te torne triste e paranoico. Aprenda a usar essa 
experiência para saber quais sãos os seus próprios limites, inclusive o de não se culpar por coisas que não fez.

Que Jesus os abençoe,


Elisa Macedo, de Portugal.

sábado, 7 de dezembro de 2013

105º Dia - Surgery

Churrasco
Extraí meus sisos na Europa! lol Sim, eu sou a intercambista que no lugar de viajar, cruza o planeta para arrancar dois dentes e terminar uma obturação. Depois do médico espanhol, fiquei motivada a conhecer os outros profissionais da área de saúde por aqui, só que dessa vez era uma mulher, mas valeu a pena. "Muito simpática amiga"!
Para resumir, a cirurgia não durou nem 3 minutos, creiam! Não tomei nenhum ponto, o que eu achei muito estranho, mas simplesmente me sinto muito melhor do que da primeira vez que fiz. Ela só passou uma pomada e me deu uns remédios e pronto. Voltando para casa vi o Guilherme, que ontem já havia me convidado para ir à festa de aniversário que ele iria fazer na casa dele hoje e, mesmo eu tendo dito que não poderia por causa dos dentes, ele me viu na sacada., junto com o argentino, convidaram-me para subir e pronto, de novo.
Voltei para casa agora.
Bem, comprei um sorvete e fiquei lá fazendo a social. Por uma hora eu não tinha controle  sobre os limites da minha boca, mas o meu sotaque ficou maravilhoso.
Pois bem, este foi o dia que tirei dois sisos, fui para um churrasco 15 minutos depois, falei em inglês com um homem que me pediu ajuda no mercado, com os Erasmus e estou agora deitadinha tomando o devido repouso. 

Boa noite e que Jesus Cristo os abençoe,

Nota: temos que acabar com a política "de portas abertas" aqui no AP. For sure!

Elisa Macedo, da Portugal.

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

103º Dia - Autodidatismo

Abençoado Potfólio
 Sempre fui autodidata para assuntos dos  quais não tinha paciência da volta que as pessoas faziam para me explicar, ou então, quando eu realmente tinha dificuldade de aprender algo com uma pessoa só explicando para 300 mil. Quando eu estava no Ensino Primário, eu era a rainha dos macetes na matemática. Cálculos que o pessoal levava 10 ou 20 linhas para resolver, eu fazia em 5. O mais complicado era explicar como eu tinha chegado aquele resultados para meus professores, no entanto, meus amigos sempre conseguiam me entender e até aprender a fazer igual.
No terceiro ano, no CTU, a vida na matemática se tornou muito complicada. No primeiro ano também foi osso duro de roer, mas no terceiro eu tive que sambar nas expressões do terceiro grau, por exemplo. Então, só deu eu na biblioteca ralando feito louca e aprendendo a fazer os cálculos by myself, com ajuda dos livros e exercícios resolvidos.
Trabalhos finais
Bom, entrei para faculdade, algumas coisas de semiótica aqui, macetes para memorizar algumas coisas da história do jornalismo, mas necessidade de se criar um shortcut nas Ciências Humanas, não é tão necessário quanto nas exatas. Pois, muito bem amigos, passei o meu dia de antes de ontem e de ontem nervosa e chateada porque não conseguia mexer no Sharepoint (a grosso modo, programa usado para criação de websites), porque tinha perdido a primeira aula sobre o assunto e a segunda não foi muito ilustrativa para mim.
Na sala, peguei apenas umas orientações. Pela internet, não consegui contactar nenhum amigo para me ajudar, tutoriais no You Tube mais complicado do que tudo.... Só me restou algumas coisas a fazer ontem:
- Orar e pedir pra Deus me dar paciência para eu não surtar, quando já pensava estar de férias;
- Comer, para aliviar um pouco da tensão e porque estava com fome;
- Sentar e, com o básico que sabia de como criar um hiperlink, montar o site sozinha.
E foi isso o que aconteceu.
Break
Não sei como, mas consegui! Tá lá, tá lindo, tá bonito!
Claro que eu ainda preciso mexer na estrutura e montar um portfólio mais arrojado, no entanto, para quem não sabia nem que tinha esse programa no computador, acho que já fiz muito.
Fui seguido a lógica, perdi por três vezes o trabalho, pois não sabia como salvar o documento para abrir depois no programa e editar, como ainda não sei, mas vá lá... E, pronto. Está ai.
Foi boa essa experiência, aprendi que não adianta desesperar.
Às vezes o melhor de tudo não é  continuar com aquilo que parecia que ia dar certo, pois tive que apagar tudo e fazer de novo por umas três vezes. O melhor, em muitas situações, é esquecer o que já se fez e começar do 0 com a mente limpa de preocupações do que foi deixado pra trás.
Bem, é isso que vou fazer e, neste ponto, já não estou mais falando de informática.

Boa noite, Jesus Cristo os abençoe.

Elisa Macedo, de Portugal.

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

100º Dia - Anestesia

Hoje fui ao dentista e, por isso, estou com a boca anestesiada. Do lado esquerdo, só sinto que não sinto nada e que daqui algumas horas, vou sentir o efeito de todas as mordidas que já dei em mim mesma.
Frase piegas, mas é verdade: parece que foi ontem que cheguei aqui.
E tendo alguns problemas em juntar as recordações que poderiam servir de memórias para o futuro, resolvi postar nesse blog algumas imagens das quais quero sempre me lembrar. Imagens dos dias em que eu fui tão feliz que eu tenho certeza, ainda que se passem milhões de anos, terei frio na barriga ao lembrar destas cenas.

Boa noite e que Jesus os abençoe,

Elisa Macedo, de Portugal.

A Roda Gigante

Em Patrimônio

Anos 80

O Dia em que quis matar uma Bota!

Quando aqui cheguei...

"Não me toca, não quero saber..."

Tanta animação, pra que?

E a gente dança e se diverte!

Diverte, mesmo!

domingo, 1 de dezembro de 2013

99º Dia - Selfish

É muito ruim se estar em um lugar onde só você parece estar feliz. Onde sua voltagem está desregulada com as das outras pessoas e você parece um pouco sem noção e egoísta, mas, em alguns momentos, pensar um pouco em si faz bem. Não quero dizer o tempo todo pensando só em si, mas em alguns momentos, vale a pena. Se não, você irá passar a sua vida regulando o seu termômetro pelo dos outros e deixando esfriar momentos tão quentes, ou tentando aquecer situações em que você precisa estar frio.
Pois bem, para n