Translate

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Coisas que você precisa saber para fazer um bom intercâmbio – Parte II

Propriedades de Portugal.

Bom pessoal, como comprometido, estou postando a segunda parte do texto que fiz sobre Coisasque você precisa saber para fazer um bom intercâmbio. Então, vamos lá?
8- Você precisa ter o seu psicológico preparado para as diversas situações do cotidiano no país de intercâmbio.
Tirando a saudade, que é uma assassina cruel, a qual todos os dias bate na sua porta e te dá uma “facadinha” de leve, você precisa estar com sua mente preparada para lidar com acontecimentos que, para você são super estranhos, porém, para os seus “anfitriões” é super normal.
Por exemplo, existem coisas que para nós é considerado preconceito e para eles são acontecimentos comuns. Não vou citar exemplos, porque seria deselegante com as pessoas que conheci por aqui e que não têm culpa dessas situações que os foram culturalmente impostas e, como eu não iria mudar a cultura de todo um país, não agora pelo menos, resolvi ignorar certos comportamentos que no Brasil, vindo de pessoas brasileiras, eu tomaria como uma grande ofensa. Neste momento, eu me lembro de todas as palavras do meu pai, que sempre me orientou a não achar que eu sou o sol.
Se você for brigar por todas as situações desconfortáveis que acontecer, você vai ficar sozinho. Porque existem coisas que são desconfortáveis só para você, para quem está fazendo é muito normal. Se você não conseguir se adaptar ao grupo, mude.
Porém, existem coisas que não são culturais e ai vem a dica de número 9.
9- Não tolere xenofobismo.
Olhe o que vende nas bancas aqui! Nossa história
de um jeito que você nunca viu, nem imaginaria ver.
O mundo é preconceituoso! E, não estou falando isso por alguma ofensa que eu tenha recebido por ser negra, evangélica, ou coisas do tipo. O ser humano é problemático independente da onde nasceu. Isso não é questão de cultura e sim da raça humana.
Tenho acompanhado muitos de meus amigos passarem por situações realmente desconfortáveis com alguns alunos e professores da nossa universidade. Estes ficam menosprezando meus colegas pelo fato deles serem brasileiros.
Eu, Nívia, Daniela e Lu.
Pessoas que nos criticam por seremos “norteamericanamente” influenciados. Mas, espere ai! Nós somos americanos! Nós somos da América do Sul e a culpa não é nossa se eles consideram que somente os Estados Unidos é a América. Não temos culpa se eles odeiam tanto a América e nos odeiam por tabela, por seremos "influenciados" pelos EUA. Oras! Que culpa temos?
Para essas atitudes, há sempre uma resposta. Xenofobismo não deve ser tolerado e ele só é vencido com quebra de paradigmas e preconceitos, coisa que você pode fazer.
A maioria espera que o brasileiro seja bobo e escute tudo calado e fale mal do próprio país para falar bem do país deles. Não faça isso! Você pode até apontar os erros do país, mas o país é nosso, ele é seu. Precisamos lutar para melhora-lo e não ficar repetindo discursos já pré-estabelecidos. O que você está fazendo na universidade, então? Reproduzindo o que o povo já fala há centenas de anos? Fala sério!
Quando o nome do lugar que você estiver indo fizer alguma
referência a inferno, não vá, querido. Sério / Pego do Inferno
Para falar a verdade, os portugueses ainda acreditam que eles fizeram uma colonização pacífica do Brasil, sem matar ninguém na América do sul. Existe até um livro chamado “Aventura dos Descobrimentos - Os donos do mundo, Brasil a Terra de Vera Cruz”, que só pelo título já se sente a imponência dos "donos do mundo".
Eles também esperam que a gente não venha pra cá pra estudar, mas usar a desculpa de vir pra Portugal pra viajar. Então, quando for fazer suas provas, pelo amor de Deus, tire as melhores notas que você poderia tirar na sua vida! Faça os melhores trabalhos! Lembre-se, em intercâmbio você não representa a si mesmo, mas toda uma nação que será beneficiada ou prejudicada por causa do seu comportamento.
Se você jogar uma folha no chão, não terá sido o “João que jogou a folha no chão”, mas “O brasileiro, olha lá!”. Portanto, faça um favor a si e aos outros, policie-se.
Tenho visto por aqui uma guerra muito idiota entre alguns portugueses e os brasileiros. Tem gente tentando ressuscitar um sentimento que eu nem sabia que eu deveria ter, de “colonizada”. Ah, para! Eu nem sabia de Portugal, além dos livros de história. Agora vem falar que os brasileiros tem problema com Portugal por causa da colonização? Só pode estar brincando, né?!
Foto: Lu Miranda
E, também, tem muito brasileiro que gosta de alimentar os falsos estereótipos. Isso é verdade! Que gosta de fazer as graças e tudo de ruim que o mundo espera que venhamos fazer. Mas, se você deseja ser um intercambista, por favor, se for ter um tipo de comportamento totalmente desagradável, fala que você veio da lua, pois nenhum país é obrigado a receber mais estereótipos do que todos já possuem uns com os outros. E para deixar o post um pouco mais leve...
10 - Compre uma mochila boa.
Você vai precisar quando começar suas incursões pelo novo país que você estiver. Muitas vezes você vai se surpreender, porque o local é lindo, mas em outras... Bom, sempre é uma surpresa, né? Isso que importa. Porque, quando se está em inercâmbio, tudo vira risos no fim das contas.

Passar bem,  que Jesus Cristo os abençoe.

Nota: 1- Tem gente que nunca mais vai falar mal do Brasil perto de mim. Bom, assim espero.
2- Fotos: Longa jornada por Tavira, com direito a ficarmos deitadas na estação de trem. Isso vai em outro post.
3- Em breve, lista com as palavras que mudam do português do Brasil para o de Portugal.


Elisa Macedo, brasileira, de Portugal.

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Agradecimentos

"Porque necessitais de paciência, para que, depois de haverdes feito a vontade de Deus, possais alcançar a promessa. Porque ainda um pouquinho de tempo, E o que há de vir virá, e não tardará. Mas o justo viverá pela fé; E, se ele recuar, a minha alma não tem prazer nele. Nós, porém, não somos daqueles que se retiram para a perdição, mas daqueles que crêem (SIC) para a conservação da alma."Hebreus 10:36-39

Ontem, quando postei a mensagem que fiz em meu Facebook para a Dani neste blog, não imaginava a proporção do que iria acontecer por aqui. Milhares, literalmente, milhares de pessoas de várias partes do mundo visualizaram esta mensagem, recebi diversos recados para passar para ela, tanto pelo blog, quanto pelo Facebook e, uma enxorada de testemunhos de todas as partes, sobre pessoas que descobriram a prioridade do Reino de Deus, não através de minhas palavras, mas das atitudes dessa filha e serva de Deus que é a Dani Alberto.
Gostaria que viessem a saber que todas, todas as palavras que postaram aqui, no meu Facebook e que tive acesso foram passadas para ela na íntegra, por meio do irmão dela, Danilo Alberto. Aproveito o momento também para agradecer a todos que deixaram estas mensagens, que estão orando e compartilharam deste momento, mesmo que à distância.
Aqui em Portugal a história foi contada com o testemunho do agir do Senhor na vida dessa jovem, o que já rendeu alguns minutos de pregação para algumas pessoas sobre vida sentimental e relacionamento com Deus. Neste momento, conforta-nos saber que a obra do Senhor continua. Há pessoas que mesmo quando se vão, continuam sendo testemunhos vivos da palavra de Deus, como é o caso do Delanne, que foi para o Senhor deixando essa firme convicção para os que conhecem o Deus que ele acreditava. Por isso, o sentimento que fica não é de abatimento, mas de continuarem com a obra, pois o grande dia vem. Isso mostra para nós que ficamos vivos, que ainda podemos fazer um pouco mais, esforçar-mo-nos um poucos mais, doar-mo-nos um pouco mais pelo Reino Daquele que está por vir.
Ademais, repito os agradecimentos.
Depois de amanhã este blog voltará a rotina com as postagens sobre a Europa, os textos literários e analíticos feitos por mim. Por hoje, deixarei essa Página Aberta para este casal, o qual por meio deles, muitas pessoas estão sendo restauradas, renovadas e alcançadas pelo Senhor.

Tenham todos um bom dia, que Jesus Cristo os abençoe.

Nota:No Brasil, a história deles saiu no principal jornal de Juiz de Fora e região. Para conferir, clique aqui.



Elisa Macedo, de Portugal.

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Louvado Seja O nome Do Senhor

Dani e Delanne - Foto do Arquivo Pessoal
Hoje, graças ao testemunho de Dani Alberto, faço esta postagem. Para quem não sabe, essa menina, Dani, tem 20 anos, é moradora de Juiz de Fora, no Brasil e estava noiva de um rapaz de 21 anos que faleceu neste fim de semana, três meses antes do casamento.
Trágico? Alguns poderiam dizer. Triste? Todos pensam assim. Doloroso? Com toda certeza. Mas, o que eu posso dizer? 
Este não é um amor para recordar. Não, não é. Este é um amor para glorificar! Em meio a tantas dores, a tristeza, ao vazio que fica, ver essa jovem glorificar ao Senhor me faz ter raiva de minhas atitudes e de tantos outros jovens das igrejas que esbravejam contra Deus e abandonam o evangelho por causa de relacionamentos! 
Ela, em meio a este momento, glorificou ao Senhor, pois agora ela sabe que ele, o seu noivo, está nos braços do Pai, aguardando o grande dia.
E nós? Muitas vezes murmuramos a espera, reclamamos de Deus não nos permitir ficarmos com quem queremos, lamentamos os términos, damos-nos o direito de ter depressão por alguém que nem se quer lembra de nós. Acorda! Acorda! O Reino é mais. 
Essa menina não me chamou à atenção pelo testemunho de superação da dor. Ela me chamou à atenção por glorificar a Deus na área que mais faz a gente murmurar em um momento de tamanha dor que ninguém, eu repito, ninguém iria ficar chateado com ela, caso ela viesse faze-lo. Todos entenderiam e até achariam normal. Afinal, ela é humana, certo?
Isso me fez pensar sobre onde está nossa vergonha na cara? Onde está o nosso coração? Pois, a onde ele está, está o nosso tesouro e, o tesouro desta menina realmente está no céu. Oh Senhor, nessa noite eu só peço que o Senhor nos ensine a sermos mais humildes e não acharmos que o que importa é a nossa felicidade acima de tudo, mas que, acima de tudo, importa-nos é o TEU REINO!

Nota: Vá Delanne, tome seu barco em direção ao Norte. Siga em frente e não olhe para traz. Digo isso, não para que venhas me ouvir, pois há muito já não podes. Porém digo, para que todos saibam que o caminho melhor você escolheu para ir, não quando foi, mas antes de lá chegar. Até breve, pois O Senhor vem e junto com Ele os seus santos.

Elisa Macedo.

domingo, 27 de outubro de 2013

63º dia - Eu vou voltar

"Você fala que vai voltar, mas você nunca volta!" Jenniffer Macedo

Amores, a tia vai voltar, tá? Mas, ela quer aproveitar mais um pouquinho. Ano que vem eu volto. Amo vocês e, não se esqueçam, tomem conta do meu quarto! Que Jesus abençoe vocês minhas gatinhas,

Nota: Esse povo que só vai lá em casa quando não estou. Isso ai! ;)
Tia Lis, de Portugal.

sábado, 26 de outubro de 2013

62º dia - Ser rico



Zarando

Zarando

Zarando

Zarando

Ser rico é chutar sem querer o coleguinha que você nunca  viu na vida, pedir desculpas e ele não te responder e você se sentir a pessoa mais pobre e educada do mundo.
Ser rico é ir ao Mc Donald, comprar o Mc lanche feliz e catar muitos guardanapos, porque o da sua casa acabou.
Ser rico é comprar três pôneis e não se importar deles serem de brinquedo.
Ser rico é ir na Zara e voltar com uma sacola da loja e, do outro lado uma garrafa de água.
Ser rico é chorar de alegria e rir de tristeza, na Europa.
Ser rico é não ter dinheiro e, ainda assim, estar exalando glamour.
No Mercado
Ser rico é procurar uma balada no sábado à noite e encontrar a melhor opção, ir ao mercado comprar chocolates.
Ser rico é ter duas casas para morar e quase nenhum banheiro para usar.
Ser rico é poder ser sem teto, pois sempre terá um amigo para te abrigar.
Resumindo, ser rico é pagar seus credores e não dever 2 Euros e 50 Cêntimos para ninguém!

Elisa Macedo, de Portugal.

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

61º dia - Quando Normal Não é o Suficiente

Foto: Lu Miranda
Ai você entra no blog e  começa a perceber espaçamentos entre uma postagem e outra. Você nota que faltam um, ou dois dias. Que não são fotos mais sem sentidos, que não são mais histórias engraçadas e divertidas para serem contadas, algo de interesse particular, mas que se tivesse um contexto geral, faria sentido para todo mundo. Ai você vê, você que já conhece todas as postagens, que o processo volta a acontecer.
O vulcão entra em erupção e coloca diante de ti muitas letras para se ver em um dia, muitas informações para se analisar. Você começa a pensar que conhece as pessoas e, de repente, alguém para contar essas histórias e as letras um dia somem, simplesmente.
Tudo vai ficando tão normal, que contar a normalidade, por muitas vezes, não é algo legal.


Nota:Para fins de curiosidades, chove no Algarve. O céu fica preto e, cinco minutos depois, o céu está azul, pássaros cantando e, se não fosse o chão molhado, você nunca diria que aquela cor escura apareceu no firmamento. No entanto, só as nuvens são negras antes de chover, porque, por aqui, vai tudo bem!

Boa Noite, que Jesus os abençoe.

Elisa Macedo, de Portugal.

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

59º dia - Apenas imagens

Nós devemos ficar felizes quando alguém que amamos está feliz.
Foto: Mine Karabulut

terça-feira, 22 de outubro de 2013

57º dia - Jet Lag

Foto: Isabella Moura - Eu acho :S
 Hoje eu tive jet lag e, nem viajei. Acho que matei todo o meu sono do Brasil, da Europa, de tudo quanto é canto. Não dá para acreditar! Eu estava com visita em casa, deixei a Lu usando meu computador e apaguei. Só me lembro de ter falado pra ela "to sonhando contigo, depois te falo", virado pro lado e voltado a dormir. Lá pra não sei quantas horas, a Marta também falou algo e eu respondi "Ok, I'm still sleeping. Let's come back to sleep", ou foi algo do tipo, porque lembrar o que eu respondi agora em inglês também é de mais.
Só sei que acordei agora, praticamente às 23:30h. Inacreditável! Sério.
Foto: Mine Karabulut
Quando eu cheguei aqui em Portugal, não passei por jet lag direito, porque no Brasil eu só ia dormir às 2h ou 3h da manhã, nas melhores das hipóteses. Eu sempre ficava horas com meus amigos na rua, ou pelo skype, então pensei "quando chegar na Europa, com fuso de 4 horas, tudo será resolvido". Só pensamento!
Tenho que pedir perdão a Mine, Akkiz e Deniz, porque eu marquei de ver filme hoje, comer pipoca e tudo mais e olha o papelão que eu fiz!
Hoje o dia estava mesmo a cara do sono. Chovendo, céu cinza, um friozinho de leve e eu com cansaço, tanto que eu nem sabia que estava.
Agora, vou me obrigar a dormir de novo, se não, passarei a viver de ficar acordada à noite e dormindo de dia. 

Boa noite, ou melhor, bom dia, que Jesus os abençoe,

Nota1: Acabei de lembrar que convidei a Paulina polonesa para vir comer minha espécie de pizza, com a Marta e eu estava dormindo. :S Muitas pessoas para me desculpar.

Elisa Macedo, de Portugal.

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

56º dia - Entendendo a contagem dos dias

Otávio com uma espécie de copo - pote de alho
Mais uma vez, venho aqui falar desta louca contagem dos dias. Acho que estou começando a entender o que "anda a acontecer" (PT)* neste blog. Como eu costumo postar algumas coisas de madrugada e, ainda temos a questão do fuso horário Brasil-Portugal e coisas do tipo, muitos textos aparecem com o dia adiantado. Por exemplo, a última postagem está dando 55º dia, no dia 20 de outubro, porém o 55º foi colocada no dia 19.
Bom, o que importa é que teve esse dia e, geralmente, os acontecimentos postados no número do dia são referentes à este. Ficou claro? Espero que sim, porque eu também estou tentando entender. (hahhahahhahaha)
Nívia e Eu
Vamos aos fatos. No 54º dia tivemos uma "festinha da comida doida" aqui em casa. Fizemos uma espécie de tudo: uma espécie de arroz, uma espécie de feijão tropeiro, uma espécie de sopa de grão de bico e, eu cozinhei uma espécie de tacos. A melhor parte é que ninguém elogiava a comida dos outros, todos éramos tão sinceros que passamos a maior parte do tempo elogiando o nosso próprio prato. Quando resolvi fazer a graça e elogiar o arroz da Dani, acabei descobrindo que ela fez apenas "a parte mais importante", segundo ela, que era de colocar a água, afinal, tem todo um preparo especial, né?! O resto da preparação do tal arroz, foi a Lu que teve que cozinhar.
Queria postar foto da comida, só que não deu tempo.
A Isabella chegou aqui com uma espécie de bolo de canela, feito com creme de leite (nata, em Portugal), porque o leite tinha acabado. O "bolo" tinha mais cara e sabor de pão de mel, igual ao que é vendido na minha cidade natal. As turcas também fizeram um arroz de frigideira e, não me pergunte como. Até o Otávio resolveu cozinhar um tipo de arroz que todo mundo pensou que era macarrão e, no final descobrimos que era sopa um tipo de sopa (ele merece o troféu "um tipo de cozinheiro").
Isso é só para perceberem o quão doida foi essa festa. Ah, e sem álcool!
Tivemos nossos retardatários, Felipe e Álvaro, para variar sempre chegando naquele horário (que você não marcou) e o Nordestino mais louco e espaçoso do Brasil, quizás de toda a Europa, o Maickel.
Lu e Isabella com retardatários.
Como a Marta estava para Espanha, tivemos o quarto para nossa concentração depois da janta, antes de irmos ao Parque, que por sinal, é lindo e maravilhoso. Ontem voltei lá para tirar umas outras fotos, que por sinal, algumas já foram postadas.
Estava com saudades da baixinha, que já chegou causando e fazendo uma espécie de pizza pra nossa janta.
Meu quarto, minha cama.
Bom pessoal, volto com mais informações adiante. Por enquanto, estou escrevendo meus artigos e torcendo para o jornal sensacionalista Português ser realmente sensacionalista, para que a tal tempestade de ventos de 80 a 100km/h não venha ser verdade.
Tenham uma boa noite e que Jesus Cristo os abençoe,

Nota: 1- A Marta falando da Espanha me lembrou que estou devendo uns textos. Preciso fazer e posta-los em breve. Desculpem-me.
* PT - Português de Portugal





Minha janta e da Marta.

Elisa Macedo, de Portugal.

Luz

Foto: Mine Karabulut
Quando as luzes representam os seus olhos e o seu sorriso, nada pode apagar a candeia que está em chamas dentro do seu coração. 

Nada pode impedir uma luz de brilhar.
Quem poderá conter seus fótons? Até mesmo as lágrimas servirão de prismas para irradiar por várias direções, em diversas cores, todos os tons de uma esperança que nasce e não morre.
É como o romper de um novo dia.
Qual é o homem que pode dizer ao sol, "esconda-se, porque sua luz está a me incomodar"?
De fato, nada. Ninguém.
E, se as trevas se enfurece, paciência. Afinal de contas, a luz não nasceu para agrada-la.

Elisa Macedo.


Mine Karabulut

domingo, 20 de outubro de 2013

54º dia - Parque de Diversões

São tantos sonhos em um só lugar!

Ainda não sei como escrever a respeito. Estou até com medo de quando eu pisar em uma estação antiga de trem.
Festa no Algarve

Eu e Isabella

Eu e a Dani

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Nuvens negras no Algarve - Um imperfeito mundo além de mim

Tudo é cinza.
E, embora exista dor,
Eu sei,
Eu compreendo.
Existe um mundo além de mim.

Mais do que eu,
Existe um sol que vai nascer,
Uma luz que vai brilhar.
A noite chegará e as estrelas não deixarão de aparecer.

A terra continuará em seu ritmo perfeito
De perfeita imperfeição.
Com imperfeitos imperfeitos,
Que nem para serem imperfeitos,
Conseguem ser perfeitos.

Eu compreendo.
Aceito, até. (Ainda que não me conforme)
Há um mundo além de mim,
Portanto, não há faraós
Nem mesmo em seus confins.

Texto: Elisa Macedo


quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Uma Espécie de Moche

  Tudo em Portugal é uma espécie e agora eles estão exportando essas espécies de coisas. Creia! No Brasil teremos uma espécie de Moche. Pelo menos é o que grita nossos corações cheios de expectativas.
De acordo com o jornal online O Globo, a Portugal Telecom e a Oi assinaram um acordo para fusão, neste lindo mês de outubro.
O que fica para nós brasileiros é a esperança de poder ligar "gratuitamente" para nossos amigos e familiares, mandar mensagens quando quisermos, sem pagar por isso, além de termos uma internet VERDADEIRAMENTE 3G em nossos aparelhos de telemóveis, corrigindo, celulares.
Para quem não sabe, em Portugal há diversas empresas de telefonia (como no Brasil e no mundo todo, acredito eu), no entanto, a Moche nos foi apresentada primeiro pela equipe de Mobilidade Acadêmica de nossa universidade. Sendo assim, ficamos com o chip, já que foi "ganhado" e não comprado. Acabou que nos demos bem, pois temos apenas que recarregar 7,50 por mês e podemos desfrutar de ligações grátis de Moche para Moche, enviar mensagens e usar uma internet supimpa de boa!
Porém, nem tudo são flores, claro.

A Moche tem uma mania muito louca, para falar verdade é a TMN, lojas onde recarregamos o celular, de nos cobrar uma taxa para recarregar. Sendo assim, se você recarrega €7,50, você não fez a recarga mínima de €7,50, mas um valor de €7,15, o que te obriga a fazer uma outra recarga. O pior é que a recarga mínima aqui é de outros €7,50 e, foi isso que aconteceu comigo no último sábado, onde coloquei €15,00 no meu Moche, coisa que nem rico na Europa se dá o luxo!
A Isabella já tinha me falado disso, mas sabe quando você fica tão emocionado com os acontecimentos?! Pois bem.
O melhor a se fazer, então, é recarregar €8,00, ou €7,85, se você for muito mão de vaca econômico.
Uma outra coisa que achei super legal aqui, foi o fato da operadora enviar mensagens para gente informando detalhes do telefone alheio. Segue a lista:
1- Se você tentar ligar para alguém e essa pessoa estiver com o telefone desligado, a Moche envia uma mensagem para você informando quando a pessoa ligou o telefone. No Brasil, se isso acontecer, será muito engraçado, porque coitados daqueles que desligam o telefone para não atender os outros!
2- Quando você reduz a mensagem com "vc", "tbm", ou coisas do tipo, a operadora também envia mensagens avisando de "Erro de sintaxe" de uma forma sutil e em outras palavras, que o seu português não é bom o suficiente para enviar mensagens, que você quase não fica bravo. Acreditem, eles fazem isso. Eu tenho fotos e, em breve, irei postar.

Isso é apenas a pontinha.
Vamos esperar o desenrolar da história. Eu, particularmente, iria gostar muito de chegar no Brasil e poder usar o meu Oi com decência e dignidade. Afinal, sempre vi nos filmes o povo ligando para todo mundo O TEMPO TODO e pensava "esse povo não paga conta não, gente?!" E, hoje, eu entendo muito bem como se passava. Well, é muito bom está no século XXI e imaginar que o Brasil vai chegar lá.
Boa Noite, boa sorte. 

Jesus Cristo os abençoe,


Elisa Macedo, de Portugal e com a Moche! 

51º dia - Festa no meu quarto

Eu
Inacreditável. Eu tive um encontro e nem sabia!
Já não me bastasse a vergonha de quase cometer um crime em terras lusitanas, não crime, mas para mim, um crime, enfim... Recebi a ajuda de uma pessoa que veio me trazer um presente e, enquanto isso, pessoas ficaram em minha janela olhando, gritando, pulando, girando, como animais de apresentação de circo. De mais! Minha vergonha foi elevada à décima potência.
Hugo
Fui quase que obrigada a convidar o bem feitor para entrar na minha humilde residência e para viver um dramático momento. O cidadão ficou parado e eu pulando como doida, com meus papéis nas mãos, as meninas como loucas em uma situação extremamente fora do controle.
Incrível! Incrível como uma simples entrega de dez minutos pode render uma hora de conversa e um mini-post no blog.
Sério, postando isso aqui para que minhas gerações futuras possam saber: quando cometer um crime, não convide cúmplices, principalmente se estes se chamarem Mine, Akkiz, Luciana e Isabella.
Em todos os casos, a Marta está como criança brincando com os posteres dela que ela sempre quis colocar na parede mas, por falta de tempo e uns probleminhas mais, ela não conseguiu fazer antes. Bom, preparando para a uma festinha surpresa no meu quarto. Fui galera!
Marta em seu dia de trabalho

Nota: 1- Matando saudades da Minha tia Marcilene e do meu Tio Márcio. Viva Skype!
2- Parabéns Hugo, feliz aniversário, que Jesus te permita muitos e muitos anos de vida! Ah, e você realmente não se parece um Português. hahahah
3-tirando fotos "naturais".
Boa Noite, Jesus os abençoe.

Elisa Macedo, de Portugal.

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

50º dia - Tratado de Paz Brasil e Argentina

Já fazem 50 dias que eu estou em terras lusitanas. Aparentemente, nada mais me é alheio ou estranho. Até mesmo o comportamento das pessoas ao meu redor, sejam brasileiros, sejam de outros lugares, sejam portugueses, no fim das contas, o lado "humano" sempre nos faz ter uma prévia imagem de possíveis acontecimentos futuros.
Hoje eu tive o prazer de receber um Argentino na minha residência. Fizemos um tratado de paz! Amo essa vida Erasmus, muito bom poder conhecer pessoas de outros países e realmente mostrar que existem coisas que estão mais no mito popular do que na realidade, porque, afinal de contas, os "tinos" são de mais. Para falar verdade, quando estou perto do deles, sinto-me até mais brasileira. :D Dividimos até um bolinho de chocolate e canela que a Isabella Moura fez.
Por falar nisso, delícia viu?!
Bom, deixo vocês com fotos da rotina no Algarve.
Boa Noite e que Jesus os abençoe.

Nota: Não entendo porque no Brasil temos tantas frutas tropicais e só refrigerantes de laranja, uva, guaraná e limão. Certo que eu não gosto de refrigerante, mas, mesmo assim, aqui tem tantos sabores diferentes e gostosos. #oremos

Elisa Macedo, de Portugal.
Augustin e Eu

Pôr do Sol no Algarve

Imagine essa seção nos mercados brasileiros?

Doces!!!

Viu mãe, tiro foto dos doces, mas me alimento direitinho.

terça-feira, 15 de outubro de 2013

49º dia - Faxina

Nas ruas do Algarve
 Não sei, mas tem dias que eu sinto que eu já perdi as contas dos dias que eu estou aqui. Até mesmo quando venho postar no blog, sempre tenho que voltar na postagem anterior, conferir qual foi o dia e, ainda assim, ficar uns dois minutos pensando se eu não postei errado naquela data. No entanto, o que vale é que realmente estou aqui.
Hoje tirei o dia para faxinar esse quarto. Estava uma bagunça a minha parte. A Marta, graças a Deus, é sempre bem organizada e eu também sou, quando não tenho que sair às pressas, como foi nos últimos dias. E, entre dormir mais e deixar tudo arrumado, preferi a primeira opção. Porém, quem saí de casa, sempre leva um pedaço dela consigo.
Pois bem. Hoje, quando eu e a Marta estávamos cozinhando nosso almoço, percebi que toda hora ou eu, ou ela ficávamos "ah, minha mãe faz desse jeito", "na minha casa, minha mãe faz assim", tudo tínhamos uma frase sobre a coisas que nossas amadas progenitoras faziam o favor de fazer por nós. Acabei reparando que a gente saí de casa por causa dos pais, mas, quando estamos fora, lembramos-nos deles o tempo inteiro!
Minha coluna tem doído muito por causa deste louco colchão e estes travesseiros estranhos. Vou te falar, viu?! Quando eu deito, tudo parece confortável, mas na hora que acordo, só Jesus na causa! Mas, fazer o quê?
Pagando de garota propaganda da Moche
O bom é que meu problema é com o colchão, com a Moche (falando nisso, consegui recuperar o Galaxy), com meus sapatos que vão se deteriorando pelo caminho, enfim, problema com coisas e coisas a gente simplesmente ignora e vai vivendo. Outra coisa muito importante para eu colocar na próxima lista do que as pessoas precisam para ser um intercambista, ser uma pessoa "de boaça". Quem não consegue ser assim dá futuro no exterior não.
A gente saí de casa, com um colchão maravilhoso, uma cama cheia de travesseiros e edredons, vai pro outro lado do mundo, dormir com um conjunto básico de roupa de cama. Esse tipo de coisa, meu amigo, é só para os fortes!
Em todos os casos, comecei a me organizar melhor. Acho que foi o lance da faxina que me colocou mais espertinha. Como deixei minha agenda no Brasil, resolvi colar papéis na parede com coisas que eu devo fazer, porque afinal de contas, se eu não fizer isso, não irei cumprir com nenhuma das minhas obrigações. (Acho que agora entendo porque o John Wesley era tão metódico).
No mais galera, estou pensando em ir à Aarhus visitar a Lorena Vila Real. Ela quem me ajudou tanto nesse intercâmbio, preciso ir lá tirar umas fotos andando de bicicleta no meio das flores coloridas, isso é, se eu chegar lá antes da neve.
Um beijo e um queijo, que Jesus Cristo os abençoe,

Elisa Macedo, de Portugal.

Hospitalidade da Espanha

Pelas cores da bandeira, já podemos supor que a Espanha é um país alegre. Bom mesmo é viajar para este país e descobrir que essa impressão não é mera ilusão de um pressuposto da semiótica, porque, afinal de contas, a Espanha é mesmo um país muito feliz!
Sevilla - España
Em todas as ruas que íamos, deparávamos com um povo simpático e sempre prestativo a nos responder questões turísticas. De primeira foi possível perceber eles são meio que "franceses" em se tratando de idioma. Pelo menos os moradores de Sevilha, que foi a cidade espanhola que tivemos contato, não gostam de falar inglês, mesmo que tenhamos percebido que eles entendem e sabem falar. Notamos que as pessoas preferem se esforçar em entender nossa própria língua e nos ver nos esforçando para compreender a deles, do que abrir a boca para falar um "good morning". Só que essa não aceitação do inglês é uma gota no oceano, imperceptível se comparada ao todo.
A Espanha tem um povo tão amável, tão receptivo, que ainda que você falasse hebraico antigo seria impossível ficar perdido, ou sem receber uma informação que o auxiliasse, mesmo que fosse em linguagem de sinais.
Sevilla - España
Eu e a Dani passamos o nosso sábado juntas, rodando Sevilha e medindo a cidade ponta a ponta. Em cada lugar que íamos pedir informação, sempre fomos bem recebidas. O mais engraçado é que as pessoas ainda paravam para bater papo, contar alguma novidade da cidade que, na condição de turistas, poderíamos não estar sabendo, ou mesmo para descobrir de onde éramos e o que fazíamos ali.
Sevilla - España
Se você pretende viajar para a Espanha, não mude os seus planos! Além de ser um país lindo e de povo amoroso, nessa viagem há uma enorme possibilidade de conhecer o  Europe Style que idealizamos tanto.
Quando cheguei à Sevilha, minha vontade foi ligar para minha mãe e dizer "mãe, desculpe ligar só agora informando, mas não sei o que aconteceu, se meu voo se atrasou, ou se a escala em Portugal durou de mais, o que eu sei é que eu cheguei à Europa hoje ta? 30 dias depois do previsto, mas, tá valendo!". E, é sério isso! Umas três pessoas que conversei depois sobre a viagem me falaram a mesma coisa!
Sevilla - España
Eu não me recordo de ter visto ninguém com blusa esporte, todos os homens de gola social, até mesmo para sair para balada. Inacreditável foi a minha expressão na hora que vi as mulheres andando com aqueles chapéus que a gente só vê em filmes, ou no casamento do príncipe Charlles. Sério, meio dia e as mulheres banhadas na roupa social e usando chapéus de penas, com 50 cm de altura! Pelo que eu entendi, quanto mais extravagante, mais bonito.
E, por falar em bonito... Oh país pra ter gente bonita, meu Deus!
Até os feios eram bonitos. E, quando eu falo isso, refiro-me tanto aos homens quanto às mulheres.
O povo de Sevilha não tem uma pele branca, nem uma pele negra. A maioria deles se parece com pessoas meio amareladas que tomaram banho de sol na proporção certa e ficaram com um dourado extraordinário na pele. Acho que na minha vida inteira, nem em festas de casamentos, bailes de formaturas ou debutantes, eu nunca vi tanta gente bonita e bem arrumada, quanto eu pude encontrar pelas ruas de Sevilha.
Sevilla - España
Um povo cheiroso, alegre, feliz.
A crise bateu por lá, até onde me consta, está fazendo estragos na vida do trabalhador espanhol, que agora começa a conhecer o desemprego como companhia constante. Mas, percebi que eles têm enfrentado essa barra de uma forma diferente, afinal, chorar pra quê?
Valeu muito ter conhecido este lugar. O que fica é a vontade de voltar e o receio de que nos outros países não sejam tão calorosos quanto os espanhóis. 
Valeu Espanha!

Boa tarde e que Jesus Cristo os abençoe,

Elisa Macedo, de Portugal (por enquanto).

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

48º dia - Problemas com Telefone

Como se não me bastasse a Moche me mandando mensagens, falando que o português do Brasil que usamos nas mensagens de texto apresenta erro de sintaxe, ou denunciando quando não respondemos as mensagens, ou avisando quando ligo o telefone para meus amigos, agora meu telefone pifou.
Claro, estou rica! Pode pifar tranquilamente. #SóQueNão!
O Otávio foi super gentil e me emprestou o telefone dele. Eu, pobre, não sei lidar com essas tecnologias, vou e me taco senha errada no Galaxy e fico sem celular outra vez. Ok, já entendi! Sem celular por hoje, né?
Ademais, não tenho vindo muito aqui por conta de artigos que estou escrevendo, pesquisas e estudos do inglês. Sem falar que tenho trabalhado também. Em todos os casos, deixa eu postar algumas fotos aqui e voltar para meus estudos, afinal, se eu quero conhecer outros lugares e pessoas, sair e aproveitar, preciso manter minhas obrigações em dia. Então, partiu estudar, que é o melhor que está tendo.
Sevilla - España


Sevilla - España

Sevilla - España