Translate

terça-feira, 17 de setembro de 2013

21º dia - É fácil ser feliz no Algarve

Foto: Elisa Macedo
É incrível como tem dias que eu planejo fazer enormes textos, jornalisticamente programados e prontos para serem publicados e lidos em grandes revistas, mas, no fim das contas, prefiro postar poucas coisas, em tom de conversa informal e apenas expressar o que eu estou sentindo, vendo e vivendo. Expressar em poucas palavras, em algumas vírgulas, em muitos espaços em branco, cujo o silêncio fala muito mais do que mil livros.
Em outros dias, vejo-me presa em milhões de palavras não planejadas, não esperadas, não anotadas. E quantas outras foram anotadas! E, hoje estou vivendo um momento assim.
Estava pensando nestes dias, eu que não queria vir pra Europa, que estava de malas prontas, passagem comprada para os Estados Unidos e em menos de 30 dias me vi obrigada a mudar todo o meu roteiro, todo
Golfinhos no Zoomarine - Algarve
o meu destino. Eu que não tive tempo de criar expectativas com a Europa, não pude dizer que ia ser a ótimo, nem que iria ser péssimo. Simplesmente, eu que não tinha nada a dizer, agora estou aqui, falando, falando e querendo falar mais. Porque no meu coração bate um sentimento, algo que brotou na primeira semana no Algarve, quando fui ao Zoomarine e vi os golfinhos pela primeira vez.
Naquele momento eu chorei. A Isabella disse que eu estava emotiva, mas naquele momento eu ouvi a voz de Deus sussurrando pra mim "os meus sonhos não são melhores que os seus?" E, de verdade, estou muito feliz em estar aqui.
Foto: Lucas Ramos
Estou muito feliz em ver toda essa gente, conhecer todo esse povo. Não posso mentir e dizer que tudo é maravilha, mas afirmo que tudo há inspiração para resolver tudo. Bete uma tremenda revolta com o meu país quando vou ao mercado e compro tanta coisa, com tão pouco dinheiro. Quando vejo que com menos de 3 mil Euros você compra um Mercedes zero, e  que no Brasil é carro para rico. Fico chateada em ver o nosso governo nos roubar, o povo passivo sorrir e nós ficarmos achando que está tudo ótimo. Não está! Mas, em meio a isso tudo, eu penso nos meus pais, nos meus amigos. Vejo uma mensagem como agora a do Beto Gaburi em meu facebook, dizendo que está com saudades...
A verdade é que não dá vontade de voltar pra casa. De voltar para o Brasil. Ainda tenho alguns meses aqui,
Foto: Lucas Ramos
mas só de pensar na volta daqui alguns meses, faz parecer que será amanhã e isso realmente tem me incomodado: saber que preciso voltar!
O que me resta de esperança é pensar que se, assim como vir pra cá não foi planejado e está sendo bom, a volta tem de tudo para ser melhor ainda. Além disso, penso nos meus pais, nos meus amigos, nas pessoas que eu amo...
A internet tem diminuído distâncias. Creio que só tem sido tão bom todo este tempo, também, muito mérito de Deus ter capacitado o homem para criar essa máquina abençoada que se chama computador. Seria muito difícil ser feliz sem ver, sem falar, sem conviver com quem amo todos os dias, ainda que seja de uma forma tão enigmática. Algo longe, mas perto. Algo perto, mas longe. O que eu sei é que supre, ainda que por um momento.
O que eu tenho pensado é que é muito fácil ser feliz no Algarve.
Foto: Lucas Ramos
Não tenho viajado. Não tenho usado do meu intercâmbio desculpa para conhecer a Zopa toda. Hoje eu dei um ataque aqui no meu quarto falando com a Marta Polonesa que eu preciso fazer algo mais. Ainda mais agora, com os trabalhos do Brasil me segurando neste quarto a maior parte do meu tempo.
Sei que eu tenho uma rotina aqui que parece que eu fui pré-programada a minha vida toda para viver assim, mas não conseguia descobrir porque eu não me encaixava bem em outros lugares, em outros afazeres no Brasil. Agora eu sei. É porque eu nasci pra ser assim, feliz. Eu estou feliz! Eu
Castelo da Cidade do Faro
estou muito feliz! Gabriel Freitas, é verdade o que você está lendo, EU ESTOU MUITO FELIZ! E, ao falar isso, me vem, outra vez, lágrimas aos olhos. Pois, tenho chorado tanto de alegria neste lugar. Já tive meus momentos de chorar de tristeza, saudades, e etcs. Mas, como eu tinha me esquecido! Como eu tinha me esquecido do que é ser feliz.
Não tem nada de mais acontecendo. Claro, sou filha de um caminhoneiro e uma dona de casa, estudante de escola pública, classe média baixa no Brasil e estou na Europa, isso é muita coisa. Mas, o que eu estou tentando dizer, é que não tem nenhum fairy tail acontecendo. Não tem nenhum príncipe europeu, ou americano de férias por aqui e que
Foto: Lucas Ramos
queira se apaixonar pela plebéia. Uma plebéia de verdade. Não tem nenhuma viagem encantadora para os alpeas nevascos, ou para as ilhas gregas. Tem apenas uma garota brasileira sendo feliz ao andar pelas ruas, ao ir para aula, ao fazer novos amigos, ao conhecer nova gente, ao conversar em outros idiomas, ao aprender novas coisas, ao sentir Deus em cada um destes simples e humildes momentos. Sendo feliz no pouco.
Sou apenas esse alguém que anda pela rua com cara de que está andando nas nuvens. Carregando na mente e no coração pessoas que amo muito, que gostaria mesmo que estivessem aqui, mas que
Paredão do Castelo da Cidade do Faro
sabe que quando lerem esta mensagem de que ela está feliz, estarão se alegrando muito mais do que se ela estivesse postando que está chorando, triste e sofrendo, morrendo de saudades.
Saudades tenho, mas os que amo sabem o quanto este momento está significando para mim. Amo a todos vocês pais, amigos e irmãos... Mas, como diria minha prima Daiana Lugatto "vai prima, hora de se amar!"

Boa noite, que Jesus os abençoe.

Elisa Macedo, de Portugal.

Nota: Como diria Lucas Ramos ao longo de todo  o dia de hoje "Obrigado Deus!" "Oh vida abençoada essa!"

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leu a postagem? Então não deixe de comentar. Abraços e que Jesus os abençoe, Elisa Macedo.