Translate

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

A long time ago, today, after this day...


Have a long time that I don't come here. Look, have so long that I already learned how to speak English!

 Sim, aconteceram muitas coisas neste meio tempo. Posso dizer que este foi o longo 2012! Os meses pareciam mais anos, nos acontecimentos e semanas, na passagem de tempo.Sinceramente, nem eu sei o que aconteceu direito. Consegui deixar muitas coisas pra trás, embora algumas ainda permaneçam, contra minha vontade em minha memória, mas, é como se alguns determinados sentimentos tivessem sumido de vez. Isso é bom; eu estou certa disso.
Às vezes fico me perguntando onde tudo isso está me levando. É como se depois de uma certa a idade a vida começasse a nos levar para um determinado lugar, por conta própria, sem nos perguntar se queremos, ou se gostaríamos de ir. Simplesmente vamos. Algumas pessoas ficam para trás, outras aparecem... Algumas marcam nossa vida, mesmo sem saber que estão fazendo tal coisa. Percebi que, por mais que fiquemos velhos, algumas coisas, realmente, nunca mudam.
É estranhamente enlouquecedor! É como olhar pra anteontem e me ver com 14 anos, em conflito, com um português horrível, escrevendo neste blog minha primeira postagem, ouvindo música pesada, embora gospel, vestida de projeto emojovem, indo para o CTU, conhecendo pessoas diferentes de mim... Vivendo uma história louca... De repente, lendo um discurso no cineteatro central no dia da minha formatura, terminar esta no ponto de ônibus ouvindo "Please Forgive me - Brian Adams" e, hoje, olhar para trás e ser como se tudo isso fosse uma vaga memória de algo que vi, ou ouvi, porém, que não participei. É como um filme que vimos várias vezes e nos identificamos com os personagens, mas nós não somos eles.
Como se estivesse alheia a eu mesma... No passado, claro.
Sei que são 2:32 da manhã, estou no meu sofá vivendo uma história cujo os locais foram previstos, mas os  acontecimentos foram totalmente inesperados e isso ser estranhamente apreciável. Vejo a felicidade como algo simples. Hoje sei que momentos maravilhosos não precisam de grandes festas, grandes abraços, da pessoa mais importante do seu mundo... Mas, às vezes, algumas outras pessoas podem se tornar importantes até sem querer num mundo em que elas nem sabiam que existia.
Hoje não sou mais tão poética! Já nem sei mais qual foi o último poema que escrevi. Pra falar a verdade, já nem sei se sou capaz de escrever coisas daquele tipo mais.
Parece que tudo fica divido em fases desconectadas, das quais não há possíveis ligações a serem feitas. Antigamente, não sei se porque eu era mais jovem, eu tinha o costume de olhar pra frente e projetar, mas, hoje eu olho pra trás e fico analisando os fatos. Muitos parecem bem estranhos, outros tão íntimos. Como se eu tivesse crescido anos em meses, amadurecido décadas em anos... Como se aquela eu estivesse ficado lá naquele colégio, com aquelas companhias de lá e eu só percebi isso hoje, anos após ter entrado na faculdade.
Faculdade! Realmente, descobri que a decepção nem sempre é por não ter conquistado, mas pela conquista não ter sido como planejado. Olhando para trás, vejo que conquistei, com a vontade e ajuda de Deus, muitas das coisas que eu queria e que, as vezes em que me frustrei, não foi por não ter conseguido, mas por não ter sido como eu queria. Veja o CTU, por exemplo, eu estava lá, só não como eu imaginava. A Faculdade... Enfim, embora esteja lidando bem melhor com isso agora. Aprendi a desejar o "o que" e deixar o caminho e "o como será" nas mãos de quem conhece o futuro. Se sonho, posso realizar, mas os detalhes, aprendi que não posso controlar.
Aprendi a amar calma e sobriamente, a confessar pra mim minhas próprias vontades, medos e sentimentos que, embora eu soubesse que os sentia, não gostava muito de relatá-los e, por isso, vivia em uma negação imbecil que era incapaz de enganar a eu própria. Estou em processo de aprender esperar, mudar de opinião, abrir-me às opções, caminhar com calma, pensar a respeito.
A vida começa a fazer mais sentido e a perder um pouco da graça com o tempo. Precisamos por tempero todos os dias. Quando se é mais jovem tudo é tão fun, mas, mesmo não tendo meus 60, começo a perceber que as responsabilidades são maiores com o passar dos dias e isso, acaba nos mudando completamente.
É como se eu estivesse a cada dia mais próxima de quem eu deveria ser, mas ainda não cheguei a completude de quem eu realmente sou. Como se a busca pelo eu fosse infinita e, Deus me aproximasse cada vez mais da minha identidade. Isso é mesmo! Deus me aproxima mais de quem eu sou. Perto Dele eu me descubro, compreendo-me e me sinto segura... É lindo!
Bom, hoje não me vejo com o olhar da inquisição adolescente sobre mim. Mas, vejo que o mundo dos adultos é bem mais cruel que dos adolescentes revoltados de uma escola "privapública". Enxergo os homens de uma forma diferente e, definitivamente, descobri o tipo que não quero ao meu lado.
Mas, de tanta coisa que deixei, percebo que o brilho nos olhos, a alegria, muitas loucuras, confusões, espontaneidade e muitas irritações continuam fazendo parte do que sou. Algumas coisas nas quais eu preciso lidar, outras que ficam por conta da mente interpretadora de cada um dos meus interlocutores.
Sim, sim... Muito tempo se passou. Desde a última postagem, apenas alguns meses. Como se adolescente gostasse mais de escrever em blogs! Porém, desde que tudo isso aqui começou, sim, muitas coisas mudaram.
Tive melhores amigos que, no fim das contas, não são mais tão amigos assim. Desconhecidos que se tornaram importantes, outros que se tornaram relevantes, não por sua importância, mas por sua insistência em se obrigar a serem presentes. Alguns se casaram, não sei se a Roseany do CTU já se casou, mas o Vitin eu sei que sim. Ah, é mesmo... Hoje à noite será o grande dia do Bambo. O Catatau, o "grande amor" de alguns anos atrás? Então, também se casou. Uma longa história, mas nada dolorido, graças a Deus.
Sinto falta da Jéssy! Ainda conversamos, mas de uma forma muito estranha. A Tama, bem, não sabia o que ocorria com ela nem na época em que andávamos juntas 24h, ainda mais agora, com essa correria de Faculdade. Bom, deve estar bem, se é que me entendem. O Fael deve estar com ela, então ambos estão bem. Ainda os vejo no ônibus, mas eu não consigo ver o ponto que demarca altas conversas na madrugada se tornar estranhos "ois" no ônibus e esquinas da vida. Vai entender... Não culpo ninguém, nem a mim mesma.
A Débora continua minha vizinha, mas com mínimo contato. O Dennys... Bem, ainda vejo este louco por ai. O Flávio virou um grande promovido do P&F, sempre o vejo. O Luca continua fofo, mas bem robustinho... Não é tão "Luquinha", hoje se o chamarem de Lucão não será por deboche, acreditem... Que Lucão! (permitam-me os risos hihihi). O Nigo virou dentista, o Jey, advogado, ou se tornarão isso daqui uns 2 ou 3 anos, assim como em breve serei uma jornalista de fato. A Boldinho, não a vejo há muito tempo... O Zé virou o que sempre quis, continua namorando a Vanessa e acho que assim será para todo o sempre. A Seghatti está de aspirante a arquiteta namorando o Igor, o Douglas arrumou uma namorada e está atacando de futuro engenheiro. O Lucas Vieira, bom, este continua como sempre: sumido e alheio. O Leandro é que resolveu adotar a mesma performance, pra variar.
Creio que consegui dar uma geral dos personagens que permearam este blog por anos. Hoje existem novos nomes, nova lista: Keyla, Natália, Ester, Desiree, Andreza, Nonô, todos meus queridos juvenis, os quais Deus usou para me ensinar a amar a maternidade e meus amigos da IMB. Alguns nomes que eram pra entrar na lista, mas já saíram antes mesmo de darem as caras... Um festival! Alguns nomes, infelizmente, daqui alguns anos poderão fazer parte de mais fragmentos da memória, outros, espero que sejam verdadeiramente eternos. Sabe, se tem algo que tenho aprendido é que as amizades de infância podem sim acabar, mas a verdadeira, pode ter sido feita após o parto, ou com seus 99 anos, ela irá durar para sempre. Creio que existem pessoas do passado que irão retornar, algumas do futuro que irão permanecer e outras que só estão desempenhando um papel em minha vida e me permitindo fazer o mesmo na delas e isso, isso parece bom, de certa forma.
Muitas coisas para serem atualizadas em uma madrugada!
O que sei é que muita coisa ainda irá acontecer, claro, se Jesus não voltar antes, o que eu acho bem provável. É aquela coisa, planejar como se isso fosse demorar e viver como se fosse ser agora, certa vez ouvi isso e, parece que só agora começo compreender
Por aqui vou deixando esta marca.
Have a nice day






E.M.S



*Captivate / Love Break Me - Starfiel*

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Hoje fui correr no Distrito com a Keyla e foi tão bom olhar para o céu enegrecido de inverno em contraste com as árvores... O ventinho gelado, aquela sensação de tudo estar estranho, mas de que está tudo bem. Fiquei feliz! 
Ela e a Natália dormiram aqui, hoje, e nos divertimos. Vimos, eu pela segunda vez, "A Cidade dos Anjos". Filme viajado, mas deu uma tapeada.
Sabe, ouvindo Revelation Song - Jesus Culture, sinto-me cada vez mais apaixonada por Cristo. Desejando vê-lo, tocá-lo e estar com Ele. Lendo o livro "Os Heróis da fé", vejo que muito ainda tenho que fazer e a ficar mais humildezinha.
Preciso me doar mais e achar que estou fazendo menos. É um paradoxo correto. Eu nunca poderei mesmo pagar o que Cristo fez por mim. Então, é melhor eu acabar com essa ilusão de que eu faço algo agora, do que ficar me achando a dona da razão sem ser. Tudo é Dele, tudo é para Ele entende?
É como se tudo que eu fizesse importasse só pra Ele. Não interessa quem viu, quem não viu. Importa que Ele vê todas as coisas!!! Importa que Ele cresça e que eu diminua, ou que eu diminua e Ele cresça. Importa que o nome Dele seja levado, ainda que para isso o meu seja esquecido. Importa fazer por amor ao Reino Dele, pelas pessoas que ainda não vivem este privilégio de conhecê-lo.
Não tem como explicar o quão não merecedores nós somos, eu sou, e, ainda assim, Ele me amou e fez algo por nós! E, por mais que venhamos fazer, não fizemos nada, mas precisamos fazer sempre mais, por amor ao próximo. É um complexo sentimento de gratidão que, realmente, não dá para explicar.
Cristo é lindo! É lindo e se fez feio por mim. É forte e foi levado à uma cruz por mim. É santo e se fez maldito por mim! Ele é maravilhoso! Digno das palavras mais lindas do meu coração e de meus lábios. Toda adoração seja dada somente a Ele, pelos séculos dos séculos, pois, Ele é o cordeiro, o Deus vivo que se fez carne por nos amar, morreu e ressuscitou por nos amar, mesmo sem merecermos, ele fez isso por nós. Ele podia simplesmente ter feito outro céu, outra terra... O que seriam só mais 7 dias pra Ele que é eterno? Mas, Ele escolheu a nós, escolheu a mim, escolheu a você.
Holy, Holy, Holy! You're my everything!!!

*Fotos em Ouro Preto-MG

domingo, 8 de julho de 2012

Lendo o livro "Simulacro e Simulação" de Jean Baudrillard, cheguei a conclusão de que muitas pessoas preferem viver o simulacro da vida, assisti-la ao longe, em uma tela de TV, monitor de PC, ou projeção cinematográfica, mas,  poucos possuem a coragem para encarar os problemas e viver a vida como ela é. Muitos ainda fazem simulação da própria vida, trabalhando onde não querem, beijando quem não amam, conhecendo coisas inúteis, enganando-se a si mesmos e achando que este fragmento de sorriso que levam no rosto pode ser facilmente apelidado de felicidade.
Creio que não! Creio que se libertar das amarras do século XXI é muito difícil, o sistema vigente é muito exigente e nós somos poucos em meio a muita informação. Mas, precisamos ser conscientes, não deixar a loucura e a nostalgia invadir nossas vidas e sairmos passeando pelas ruas achando que estamos vivendo. Porque pelo Facebook, pela TV, pelo Cinema, mass midia em geral, todo mundo é feliz, todo mundo é rico, a caverna de Platão sustenta todas as suas necessidades. Mas, depois que alguém vê a luz, conhece o verdadeiro paraíso, não aceita trabalhar onde não gosta, beijar quem não se ama, conhecer o que não se quer conhecer, mas pretende viver uma vida melhor. Isso não é pra ninguém descobrir que a vida é um lixo, uma mentira, um engano, mas para tomar consciência de que só uma pessoa é capaz de parar de viver esta vida de mito e começar a criar vergonha na cara e viver uma vida real: você mesmo!

domingo, 27 de maio de 2012

Posso, simplesmente, resumir o que eu estou sentindo em uma frase: não quero falar!

Ok, eu poderia simplesmente não vir aqui e não postar nada, mas precisava fazer isso, ver que eu não quero falar.

quarta-feira, 16 de maio de 2012


Eu já cheguei em uma fase na minha vida que prefiro brincar no parque, jogar vôlei com os amigos, matar aula na cantina e conversar sobre coisas bobas rindo alto e com prazer, do que ficar fingindo ser adulta e, no fim das contas, ser cada dia mais infantil.
Acho que o Ensino Fundamental foi maravilhoso, o Médio muito bom, mas, minhas atitudes naqueles lugares me fizeram aprender que existem novas fases para eu viver, agora. Sendo assim, não preciso ficar agindo como criança pirracenta em situações que necessitam de alguém competente para resolver, ou então sendo imbecil atrapalhando quem pode. Piada é engraçada, mas no momento certo. Fora de hora é igual comer arroz no café da manhã, totalmente desnecessário.
Só os inteligentes entenderão.
Entendeu?

domingo, 13 de maio de 2012

Estou extremante decepcionada.
Realmente, palavras o vento leva.
Não sei porque ainda insisto em falar certas coisas...

segunda-feira, 30 de abril de 2012


Acho que está virando um costume vir neste blog revirar o passado, principalmente, quando se trata de abril. Digamos que este ainda é um mês bem nostálgico... Onde as recordações não ajudam e o presente ainda não foi capaz de apagar o passado.
Talvez eu seja só mais alguém tentando escrever sua própria história, mas parece que perdi as palavras certas. Não me sinto mais uma poeta, uma boa escritora. É como se agora eu tivesse apenas um serviço a fazer. Eu queria tanto poder escrever, viver e falar o que eu penso. Ser de fato livre pra me expressar... Sei que eu tenho dentro de mim tantas coisas boas.
Sabe, eu, há algum tempo, fechei este mundo no qual eu transformei minha vida em letras e palavras, algumas fotografias e mais nada. Mas, hoje, eu permiti um bom amigo dar uma passeada por aqui. Talvez eu só esteja querendo abrir não só este mundo, mas não encontrei coragem o suficiente para ceder. Acho que baixei a guarda por muito tempo, tenho medo dela está em alta para sempre.
Até meu mundinho perfeito de Holywood veio à tona com o fim do seriado OTH que, sinceramente, não me agradou.
Eu me sinto presa de alguma forma muito estranha. É como se o meu certo fosse o tempo inteiro o errado para o mundo. Nem as pessoas que eram pra me compreender o fazem. Estou vivendo uma coisa meio ruim e achando bom... Ouvindo musica, chuva, quarto e internet. Déjà vú? Tenso! Eu não tenho mais 15 anos, verdade, eu não tenho mais 15 anos!!! Não posso ficar me dando a este luxo de ter crise adolescente. Mas, eu só quero ficar aqui... Com esta musica, neste momento, falando coisa com coisa... Coisas que só eu entenda, que muitos possam achar que "agora ela pirou de vez", mas eu sei que esta é a ordem das coisas. A roda gigante está pra baixo, mas ela não fica parada, vai girar... A musica vai ser outra, o dia, outro... E, quem sabe, a história por completa seja algo diferente.
Bom, vou ver o que fez o primeiro episódio da 7temp de OTH ser tão entendiante. Indo ver o último da 6ª.
Bjus LMS, EMS.

domingo, 29 de abril de 2012

Hoje tomei um pouco de vento no rosto. Meio que me inspirei em Titanic, depois de um almoço na casa da minha tia Lane... Vim em cima da carroceria do caminhão do meu pai. Tá certo que é um pouco (totalmente) fora da lei fazer isso, mas, tinha tempos que eu não sentia a realidade.
Tenho passado um tempo considerável no meu quarto, vendo filmes e vivendo vidas que não são a minha ,através de seriados, desenhos... Mil coisas! Até neste blog tenho aparecido raramente.
Ano passado ele foi entregue à poeira, à solidão... Talvez eu estivesse na mesma situação que ele e não estivesse me dando conta disso. Mas, hoje com o vento no rosto, sentindo que eu estava infringindo não só a lei humana, mas, também, rompendo as leis físicas com o vento em meu rosto, assobiando em meus ouvidos, de olhos fechados, em alguns segundos de braços abertos... Era como se naquele momento eu estivesse no céu e pudesse voar. Pudesse tornar todos os meus sonhos realidade, pudesse ir e voltar no passado. Transformar meu futuro em tudo o que eu sempre quis e sem fazer nada... Eu só estava voando, mas me sentia completa, como se todas as metas tivessem sido alcançadas.
Enquanto isso, eu estava com uma musica na cabeça, para falar verdade, foi quase chegando em casa: True Colors. How much colors have at the world? Quantos sonhos podem ser realizados? Quantos serão só sonhos? Quantas são as cores que formam o arco-íris? Quantas estão nele, mas ninguém se lembra, ninguém vê... Like in a rainbow.
Era só o vento... E as cores... True colors!

Elisa Macedo

sexta-feira, 27 de abril de 2012


Cazuza disse: "E aquele garoto que iria mudar o mundo, assiste tudo em cima de um muro!"
Lis Macedo diz: "E aquela garota que ninguém dava nada por conta, irá mudar o mundo!"




Hoje, em uma discussão acalorada na página do Facebook  Sites importantes para Jornalistas, levou a um combate entre jornalistas, que até começou muito esfumaçado, mas, logo depois, todo mundo deu as caras. É triste ver como muitos dos meus companheiros de profissão não acreditam mais no que podem e, por isso, realmente não podem. É absurdo a quantidade de pessoas que se perderam e já não estão mais conscientes de quem são. Podem facilmente serem substituídas por uma máquina registradora de acontecimentos, afinal, não levam mais as pessoas à pensarem sobre o que estão vendo, apenas cospem informações enlouquecidamente para cima de um público que não depende deles para obter notícia. 
Não é possível que essas pessoas não percebem que graças à elas o jornalismo está se perdendo!
Hoje em dia qualquer "Zé", com um celular na mão e um pouco de desenvoltura, faz uma reportagem. Se esses caras com o canudo na mão não fizerem nada, este canudo, que por lei já não tem valor, vai realmente perder sua dignidade!
Será que não percebemos que nossa profissão é uma das mais responsáveis pelas mudanças no globo (nos dois sentidos)? Será que só iremos acordar para isso quando for tarde de mais? Será que já não é tarde mais?
Estou cada dia mais preocupada com a humanidade! Quem conhece este blog já sabe das minhas crises com essa raça de seres que não dão valor ao poder que tem, mas, hoje, em especial, estou um pouco mais irritada. Principalmente ao ver que quem já chegou onde eu quero estar um dia, não sabe mesmo dar valor a tudo o que pode fazer.
Hoje, oro a Deus por dias melhores para o jornalismo, não só em Juiz de Fora, não só em Minas e, menos ainda, não só no Brasil, mas no mundo! Sou sim uma idealista, sou sim uma apaixonada, mas, nem por isso, meus pés estão fora do chão. Não acredito que o que eu carrego no peito é só um sonho, afinal, eu não sou mais criança! Se eu tenho fé, é porque eu sei que é verdade! 
Por: Elisa Macedo

Nota: Acredito no que eu faço. Se eu não acreditasse, não o faria! Para mim, um jornalista que se vende, que perde sua essência, que não mais leva a verdade, ele é semelhante a um médico que furou com seu juramento de colação. Simplesmente jurou salvar vidas e começa a matá-las na mesa de cirurgia. O jornalista quando não respeita sua profissão faz o mesmo: Vai para a sala de redação e mata a verdade!

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Ainda sinto o cheiro bom de viver... O cheiro da realidade que não me impede de ousar, por vezes, a fragrância da fantasia! Ainda consigo me jogar dentro de uma sala de cinema e, naquele momento, ser aqueles personagens, vivendo aquela vida, daquele jeito! Ainda consigo ser humana, até quando não estou sendo eu.
Às  vezes, penso que levar a discussão de 'cultura capitalista' tão a sério, faz a magia, aquela que não se compra, se perder em meio à tantas teorias e outras coisas.
Pessoas insatisfeitas com a vida real, não irão se satisfazer na fantasia. A fantasia é para quem a vive. A fantasia existe para quem a tem como real.
Não digo para ficarmos nos projetando... Isso é doença, mas digo para que durante aqueles 90 minutos, ou 180 (no caso do Titanic) você deixe pra trás os seus problemas.
Sou contra cultura vendida, mas se tem algo que eu sou incoerente neste assunto é em relação ao cinema. Sim, eu vou ao cinema para ver a ficção, a realidade, deixa que ela eu a vivo!

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Sabe aquele dia chato? Que começa com você passando mal, mas sem identificar qual é o mal que você está sentindo? De repente, parece que ninguém está te entendendo?
Pois bem, muitos podem pensar que eu estou descrevendo uma TPM, mas estou bem longe disso. Eu só não estou entendendo o porque do nada tudo estar ficando um literal SACO!
Irritadícia!
Estou stressada, com uma vontade louca de ficar na cama dormindo... Sabe, meio "que se dane a realidade, eu quero é ver desenho!"
Poxa, eu sei que não dá pra ser assim... Mas, voltando a ver OTH eu descobri que  com o tempo, todo mundo muda. Ao meu redor, todo mundo mudou... Parece apenas que eu, de alguma forma, embora tantas mudanças, continuo a mesma.
Começo a me questionar se isso é algo bom.

segunda-feira, 9 de abril de 2012


Estou tão cansada. Sinto-me como um cachorro correndo atrás do próprio rabo e que não consegue alcançá-lo de forma alguma (porque será?).
Sinto como se estivesse fazendo tanta coisa inútil, que já não consigo mais enxergar o que de utilidade é necessário fazer neste momento.
Quero viver tranquila e mansamente, mas parece que quanto mais eu busco, mais eu não encontro. Parece que quanto mais eu digo: vou fazer o que eu quero pra relaxar, mais cansada eu fico.
Parece que eu ainda estou fugindo e, só eu não me dei conta de que cheguei em um lugar do qual não adianta eu correr mais... Fim da linha colega, agora é retroceder e acertar!
Algo por ai...
Estou com muitas dores, muito cansaço. Durmo e é como se tivesse carregado pedaços inteiros de lenha sozinha a madrugada inteira. Deito e é como se eu tivesse sido obrigada a ficar de pé por vinte minutos com uma bola de chumbo nas mãos.
Eu não sei porque, não caminho pra frente... e, quando olho pra frente, só vejo o meu passado de novo.
Rabo abanante filho de uma boa mãe!
Estou cansada, estou nervosa, estou paralisada e correndo... Como é isso? Não sei, apenas sinto e é estranhamente ruim.
Preciso me deitar em um lugar calmo, tranquilo, olhar o dia passar lentamente, sem pensar que tenho trabalho no outro dia, câmera pra reservar no outro, um computador bugado que minha cunhada pode a qualquer momento estragar minha reportagem inteira que foi feita e que ainda não foi entregue. Quero tirar tanta coisa da minha mente, da minhas costas... Minha cabeça está cheia de coisas de mais!!!
Estou meio que em apuros e não sei o que fazer.
Só queria olhar pra frente e ver algo muito diferente do que um rabo cheio de fiapos olhando pra mim e dizendo: corre, vem me pegar!
Eu só quero um lugar de paz com Deus. Um lugar onde as indiretas sejam insignificantes para mim... Eu sei que eu consigo criar este lugar, mesmo dentro de um ambiente totalmente diferente.
Eu vou chegar lá... Eu só preciso caminhar... Mas, caminhar pra frente e, em linha reta.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Decidi Esperar

O que vem de Deus é eterno.
Não quero mais viver de experiências humanas... Quero começar a viver o divino, aqui mesmo, nesta vida.

Nota: Retiro de Carnaval perfeito e forte.
Aleluias!!! Muitas almas pra Jesus.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Indignações

Tenso não poder compartilhar nada com ninguém. Neste momento, você se encontra preso em um paradoxo, no qual você não sabe se você está certo, ou o mundo inteiro é que está errado. Desta forma, eu me vejo como alguém que tem as convicções corretas, os motivos plausíveis, no entanto, o mundo inteiro age de forma diferente da que me posicionei. Sendo assim, só me resta acreditar que eu estou errada e todos os outros certos, faço isso apenas para tentar um gesto de humildade, porque eu não consigo acreditar que alguém que traia a minha confiança e invente mentiras sobre mim, esteja agindo corretamente.
Então, vejo-me naquele metrô, no mesmo ponto de partida, ou de estagnação e com perguntas totalmente diferentes em minha mente e motivações muito diversas das que um dia me levaram, ou me fizeram perceber que eu estava por lá.
Hoje decidi virar alguém que não compartilha, paradoxal pra quem está publicando isso em um blog, mas não quero contato humano. Não quero saber destes seres interesseiros e mesquinhos que maltratam os outros conscientemente e que são capazes de chegar em casa e não ter um pingo de remoço, ou arrependimento, por suas atitudes mesquinhas. Não param para pensar que a fofoca, a mentira, a inveja que elas tiveram podem estar fazendo essa pessoa pensar mil e uma coisas das quais ela não se agrada... Ou não se agradaria.
Não tem como me pedirem para eu não me indignar com essas coisas. Só tenho algo a dizer: Como eu percebi que eu estou errada neste mundo, aceitei isso, mas não concordei. Estou disposta a mudar minha forma com essas pessoas, mas jamais a abrir mão das minhas convicções.
Abraços e boa tarde a todos... Todos os mosquitos.
Lis Macedo

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Depois de mil anos

Enfim, se este for o último ano de vida da terra eu preciso deixar meus últimos passos virtuais demarcados para as gerações sobreviventes conseguirem reconstruir o planeta com o mínimo de dignidade.
Modéstias a parte.
Eu estava super feliz com a noite que tive ontem com os amigos, com o J@7@... Mas, acordei, fui ao face e vi que ele ainda está ferido e tem esperanças de reconquistar sua dona lá... Então, isso pra mim serviu como motivo de sossegar meu facho e ficar na minha.
Como se não bastasse tanta dor pra uma manhã de segunda-feira, cuja a qual eu resolvi matar serviço, perdendo 23 reais do dia e, ainda irei gastar mais alguns muitos no cinema... Fui revirar no passado entrar onde eu não devia. Beleza, o mundo está Happy!
Acredito que para o bom entendedor, isso basta.
Digamos que agora eu não estou me sentindo muito bem não... Pra falar verdade não estou mesmo me sentindo bem... É, não estou. Definitivamente eu não estou me sentindo legal.
Tenho um machucado no dedo também.
Mas de forma alguma estou reclamando. Beleza, eu aceito o que está acontecendo. Só é meio chato ter dentes e não poder usar. Enfim, mas é bem melhor que não tê-los.