Translate

sábado, 30 de abril de 2011


Hoje me dei conta, pra falar verdade eu já tinha me dado conta antes, mas, hoje foi a um ponto que me incomodou perceber que desde agosto do ano passado eu não consigo ter um dia de rotina. Não que eu queira cair na rotina, mas eu descobri que não passo na mesma rua por dois dias seguidos, que não como a mesma coisa por dois dias seguidos, que não respeito os horários por dois dias seguidos que sejam.
Eu não sei do que eu estou fugindo... Talvez esteja fugindo de deixar tudo igual, porque isso era muito ruim porque sempre estava faltando algo, alguém.
Descobri que eu comecei a fugir do banal pra não ter que encontrar com os fantasmas da solidão todos os dias nos mesmos lugares, pois quem antes estava, agora não está mais ali.
A cada esquina eu vejo apenas uma vez o retrato da despedida, já me basta essa, não preciso encontrar com o adeus amanhã de novo e no mesmo lugar... É de mais!
Mas não sei se consegui disfarçar, fugir, ou me enganar... O que eu sei é que enquanto eu não volto a rotina está tudo bem. Só não sei o que vai acontecer quando eu precisar encontrar com a rotina outra vez e ter que pegar o mesmo ônibus por dois dias seguidos, passar pelo mesmo caminho por dois dias seguidos, comer no mesmo lugar por dois dias seguidos, encontrar com a mesma pessoa por dias seguidos...
Tenho resistido a tudo isso. Tenho me esforçado para respeitar as escolhas dos outros. Tenho lutado contra minhas vontades. Tenho me esforçado para não ligar, não ir, não falar, não chorar... Tenho resistido a tudo isso. Eu estou resistindo a respeitar as escolhas de quem não quer saber de mim. Está sendo difícil, mas tenho resistido a tudo isso.



Nota: O post vai até parecer estranho para essa nota, mas o dia foi muito bom! Feliz com meus amigos, com minha amiga irmã que estávamos separadas há algum tempo. O princípio da vida é o amor, não importa a quem, mas amar. "Rio, Rio..."(8) kkkkkkkkkkkkkkk - "Fael, fazendo a Tama fazer o  'você, você, você'... kkk pala de mais pra mim"

*Fotos: Seyal Layes, Fael Forte, Tama Nogueira. - Agradeço ao meu teclado pelas letras não colocadas na 1ª foto. Esforça-te e entenda.

*Not So Will Love me - Across The Sky*

 
Estou tão feliz de uma forma tão estranha e sublime!!!
Estou tão em paz de uma forma tão constrangedora e alegre.
Estou tão amada que isso me alegra e me faz querer retribuir.
Estou tão leve que estou voando em minha realidade.
Meus sonhos hoje são mais do que reais: São eternos.





Shooting Star - Across The Sky

When I walk a thousand miles from home
And when I've lost all I used to know
It seems that I've got nothing left
I find that I'm undone
You are here to break me
And You've only just begun

With open arms You came running so far
To show who You are and who I am
Only You can change a heart
Like a shooting star You soar through the darkest of nights
To catch my eyes and guide me to the Father's arms

When I wonder where You're leading me
With no direction, walkin' aimlessly
Still You're ever faithful
Still You're ever strong
Now I can call You Father
You're calling me back home

Your arms, they're always wrapped around me
Your arms, they'll never cease to hold me
Hold me
Nota: Dê-se uma chance de ser feliz. ;)

*Foto da internet

sexta-feira, 29 de abril de 2011

E o chão outra vez foge dos meus pés e eu fico me perguntando "o que será? O que será?". Começo a acreditar que eu estou no lado errado, que eu  é quem estou errada, pois não é possível o mundo inteiro estar errado para apenas eu estar certa (ou será?).
Perplexamente, começo a comparar a vida que tinha e a que tenho e meu efeito projetivo começa a falhar quando olho para uma sociedade que mata todas as expectativas de futuro  que eu possa estar ansiando em meu âmago. A sociedade onde o "certo não é tão certo" e o "errado não é tão errado", a cada dia que passa eu, sinceramente, fico cada vez mais perdida nesse prelúdio de fim dos tempos que não acaba logo.
É o desengano das pessoas, é o falso abraço, é o falso sorriso, é o falso  "bom dia", é o falso verdadeiro e a falsa falsidade... Eu não sei o que acreditar, em quem confiar, para onde correr, pois, até nos campos de fuga os refugiados estão em busca de show bussines.
Um jornalista muito sábio disse essa semana "se você faz amor com uma pensando em outra, sua vida é um engano meu amigo"¹, então da nossa mente sabemos, mas e da mente do outro? Como penetrar dentro deste labirinto que engana a ele próprio.
Até quando vamos ficar nos enganando? 
Não projeto apenas o lado emocional, o sentimentalismo, mas parece que nossa sociedade está o tempo todo tentando nos sufocar e nos obrigar a correr pro outro lado. Alguém pode me explicar porque ninguém está tentando voltar pro lado certo? Porque pararam de lutar pelo verdadeiro amor? Porque poucos escolhem a profissão pelo prazer de fazer o que gosta? Porque  quase ninguém come doce de leite na varanda vendo o dia passar lentamente?
Onde paramos de sonhar? Onde paramos de acreditar nos nossos sonhos? Porque até eu, que sempre fui idealista ativa, agora resolvi esperar do próximo o que eu também sei fazer?
Onde está indo parar a nossa sociedade? Onde estão divagando as nossas mentes?
Existe uma frase no maior best seller de todos os tempos² que diz "a onde está o seu tesouro, ali está o seu coração"², onde está o nosso coração então?
Será que estamos com a caixa do tesouro de outro, tentando enganar os nossos corações?
Será que estamos alterando a ordem de tudo fazendo o que não era para fazermos e deixando de fazer o que é necessário? - Fato, estamos, tudo importa, cada segundo importa, cada escolha importa. 
Eu abro os olhos e vejo um mundo sem esperanças, sem fé, sem forças. Fingindo de forte e lutando contra si mesmo para acreditar que isso aqui pode melhorar.


Abraços, Seyal Layes

1- José Luiz Ribeiro
2- A Bíblia Sagrada

domingo, 24 de abril de 2011

Quanto mais impossível pra mim, mais possível é pra Deus agir.

Como andarão dois se cada um quer ir para um lado?
Como confirmarão dois se cada um diz uma coisa?
Como se amarão dois se cada um acredita em um tipo de amor?
Como ficarão juntos dois percorrendo caminhos diferentes?
Como se unirão dois se cada um pertence a um elemento que não se mistura com o outro?
Como acreditarão dois em uma coisa que nenhum deles consegue ver futuro?
Como existirá um só corpo e uma só alma se dois corpos e duas almas correm de ficar juntas?

Meu Deus, como isso é impossível e inconcebível de imaginar!!!
Como serão dois felizes se a felicidade destes são juntos e eles estão separados?
Como ficar juntos se nenhum faz por onde se encontrar?

Como há coisas impossíveis no mundo.
Mas, como sou feliz por existir um Deus do impossível, que cuida de mim e me ama, mesmo eu não merecendo tanto amor.

Foto: de outro blog - cena do filme "Um amor para recordar" (Quando entendermos o que causou e motivou esse amor a enfrentar as barreiras, poderemos então entender o que nos motivará a nos amar também). 

Frase: Não digo que não haverá dor, digo apenas que haverá muito amor.

Clique aqui para assistir online o filme UM AMOR PARA RECORDAR.


Esse filme me faz voltar a ter fé nas pessoas e no amor.

sexta-feira, 22 de abril de 2011

A Tama só me avacalha! Olha essa agora: Uma eu sabia que tava gravando, mas o final da outra ela fez na encolha.
Então, para quem tem saudades de mim, pode me "ver" no Youtube fazendo barulho. Vale lembrar que apenas uma semana de viola eu aprendi isso ok?
Agradeço ao meu caro amigo Lucas que me ensinou alguns "truques" (tipo, violão e guitarra agora é ilusionismo), ao Patrick que me forneceu a guitar vermelha cabulosinha e a amiga Tamara que fez toda a produção MA-RA-VI-LHO-SA para revidar um vídeo dela tocando violino imaginário no Youtube. Quem quiser ver... Procure, não irei postar ele aqui, pois eu também apareço nesse vídeo com a definição pouco melhor (cof-cof) falando igual uma vitrolinha o "A gente sAmus" (ai) da minha época de infância.

Nota: Porque nos vídeos do Youtube eu sempre estou de cabelo cacheado? :S
Perdão! Eu te trai e hoje eu vejo isso.
E, se o seu coração perde o ritmo da batida quando me vê, da mesma forma que o meu me envergonha quanto te vê... É... Ta na hora de criarmos vergonha nessa nossa cara não acha?


O amor de verdade não faz aquilo que qualquer um faria por nós, o verdadeiro amor faz aquilo que ninguém mais faria. Perdoa o que mais ninguém perdoaria,  vai atrás de quem jamais ninguém iria.
Nota: Ah coração!

quinta-feira, 21 de abril de 2011

"O que faz um homem quando deixou todas as pistas, todas as cartas, todos os mapas até o seu coração e uma mulher não quis seguir? Como fazê-la interpretar todos os seus gritos mudos de socorro? Será que terá de gritar nas rádios, nos sites, na tv? Como fazerá para ela perceber que viver sem ela é uma tortura e está acabando com ele?
Já fez de tudo pra fingir e esquecer, mas o coração de um homem apaixonado é persistente.
Será que ela não tem coragem? Será que ela não percebeu? Os nossos encontros não são acaso. Ele te procura... Ele precisa de você.
O que fazer se ela não quer amar? Se ela não sente saudades dele como ele sente saudades dela? Se ela já descobriu que pode ser feliz sem ele, enquanto ele fica no quarto chorando por ela?
Ele preciso que ela veja, que ela sinta, que ela também chore. Que algum dia ela acorde e descubra que ele é o homem da vida dela e que diversas vezes esteve de baixo de sua janela querendo chamar seu nome, mas ouviu seus sorrisos e pensou "ela está feliz sem mim".
Isso estava acabando com ele.
Será que não mais o amas? E, se amas, porque não o procura como ele a procurou. Ele é o cara com aquela rosa que você deixou na cabeceira da sua cama. Diga que ainda se lembra de mim.
Chore por ele. Anseie por ele.
Será de fato o homem que você mais quer, tudo que você deseja e precisa.
Ele quer acreditar que "Vai lembrar de mim quando alguém disser te amo, você vai lembrar de mim e vai ser assim toda vez que alguém te amar: você vai lembrar de mim".
Ele quero estar em cada pensamento. Quer ser o que faltar em você quando tudo estiver bom e o que mais fazer falta quando tudo estiver faltando.
O que mais ele tem que fazer para você ouvir os seus pedidos mudos de socorro? Onde mais ele tem que aparecer para você o notar?
Pode ter mil mulheres em seus braços, mas nenhuma será nem de longe o que você era e é aos seus olhos.
Ele só quer acreditar que você vai lembrar dele, vai sentir falta e vai perceber que ele está em silêncio clamando socorro."

Este é o pedido mudo de socorro de alguém que ama.

*Foto:outro blog

Texto baseado em uma musica

sábado, 16 de abril de 2011

Hoje eu descobri, que de algum jeito, não importa como, eu preciso salvar a sua vida!
Eu amo você.
Achegue-se e me deixe te ajudar, por favor!

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Quem me vê sorrindo por chegar onde cheguei só vê os meus sorrisos, mas não sabe os caminhos por onde eu passei. Quem me vê falando tanto de amar verdadeiramente e de que um belo amor existe, não conhece as lembranças que tenho no coração. Quem me vê sonhando e se espanta com a audácia, certamente não conhece minha realidade para se espantar com ela. Quem apenas diz que eu vou superar porque eu sou forte, não me conhece a ponto de saber que eu preciso de um amigo. Quem é capaz de me amar e ficar em silêncio por medo de não ser correspondido realmente não sabe o quanto o amo.
Todos os dias sou tão estereotipada, tão rotulada, tão imaginada que poucas são as pessoas que conhecem a minha realidade. Até mesmo as coisas que me fazem alegres poucos conhecem.
O que me machuca é saber que eu também faço isso com as pessoas. Há pessoas que sorriem e eu não dou um abraço por achar que elas já são felizes de mais, só que posso estar deixando de abraçar quem nunca recebeu um abraço na vida e se faz de feliz para espantar de si mesmo essa imagem. Às vezes falo de amor, mas não tenho coragem de amar e nas poucas vezes que fui atrás do amor não fui muito bem sucedida, agora fico esperando o amor vir atrás de mim. Às vezes eu julgo que não me amam e gostam de mim, outras penso que me amam mas nem se lembram de quem sou.
Mas tudo isso me dá força de caminhar e me faz olhar para todas as pessoas com um olhar diferente. Quebrando estereótipos, dando oportunidades, fazendo diferente e tentando... Conseguindo ser feliz.
Quem vê meu idealismo, minha fé e minha esperança e acha grande, não conhece realmente o tanto que ainda carrego guardado dentro de mim.

Nota: Você irá ver em uma imagem aquilo que você quer ver, ou aquilo que querem que você veja, ou aquilo que realmente é, mas tudo isso irá depender só de você.

*Foto de outro blog.

terça-feira, 12 de abril de 2011

"Mudaram as estações, nada mudou... Nada aconteceu, nada está assim: diferente.
Não lembro quando eu cheguei acreditar que algo era pra sempre, parece que eu nasci sabendo que o pra sempre... Sempre acaba.
Mas nada vai conseguir mudar o que ficou, porque se depois disso tudo algo ficou, então é porque não tinha que ir mesmo. Quando penso em alguém, não tenho um pingo de egoísmo e ai então, me "estripulo" e fica tudo péssimo.
Mesmo com tantos motivos pra não querer tudo como está, nem desistir nem tentar agora - literalmente- tanto faz. Quem toca o fundo do poço sempre carrega as mãos sujas de lama." Seyal Layes

*Foto de outro blog

domingo, 10 de abril de 2011

Hoje eu estava concentrada em planos maiores quando, de repente, alguém me veio a mente. E, de uma forma estranha comecei  a sentir forte o seu perfume penetrando minhas narinas que quase me asfixiei, mas se não sentisse aquele aroma eu correria o risco de ficar sem ar para sempre.
Não só hoje, mas me lembrei.
Lembrei-me de quando tudo era bom e havia risos. Lembrei de quando havia festas em uma piada e tanto amor em andar de mãos dadas. Lembrei que não era necessário estar tão perto para sentir tanto amor.
Hoje me lembrei, ou melhor, lembraram-me que o amor não é medroso. Ele tem coragem de enfrentar tudo e faz o outro feliz. Hoje me dei conta de que nunca tinha deixado de dar conta. Então, percebi que ainda que realmente alguém tivesse usando o seu perfume, pelo menos o que eu senti ali não foi obra da minha imaginação.
Que seja o que vier.

NOTA: essa semana eu atualizo direito o blog e volto a comentar nos blogs que eu sigo.
abraços,
Seyal Layes

sexta-feira, 8 de abril de 2011

A paz interior é algo tão profundo que realmente não pode ser dada por esse mundo atribulado, barulhento e cansativo.
É tão bom um momento com os amigos, uma descontração, um sorriso.
Às vezes perdemos esses pequenos momentos de tão boa significância em nossas vidas, porque estamos procurando grandes ocasiões para dizermos que somos felizes. Hoje eu sei que sou feliz e não existe mais grandes e pequenas coisas, sou feliz em todas as coisas.
Um fluir, um cântico em olhar para meus amigos e ver em suas faces um sorriso e saber que eu pude contribuir, de alguma forma, para aquele acontecimento é mesmo algo muito MASTERCARD - Não tem preço.
Não tem preço que pague o já está pago.

sábado, 2 de abril de 2011

Seguindo conselhos de Rômulo Krause, eu preciso é desabafar, não é? Pois bem...
Passei parte toda a minha vida ouvindo coisas que eu não precisava ouvir e tendo que lidar com julgamentos dos quais eu não tinha pedido pra ser réu. Quando resolvi amar a pessoa só me tratava bem quando estávamos brigados (talvez isso explique tantas brigas), passei muito tempo fingindo não ser eu e ainda tinha que dar justificativas aos que não gostavam de como eu era (como se já não fosse difícil o bastante lidar comigo mesma sendo não eu)...
A verdade é que agora sou quem sou e as coisas são mais difíceis, porque agora quando não me aceitam , quando não me aceito, sei que o faço, ou fazem, com quem eu sou de verdade e isso é muito pior, pois isso será muito difícil de mudar.
Minha vida é complicada? Não! É perfeita, eu tenho a vida que eu mereço, talvez até mais do que isso.

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Amor

Edgar Morin, em seu livro "Cultura de massas no século xx", no capítulo 14, aborda a temática do amor e suas transformações ao longo dos anos, após a introdução dos veículos de comunicação de massa. Hoje, projetamos nossas vidas em cima de imagens cinematográficas, ou literárias, das quais tiramos exemplos e características que incutimos em nossas vidas, conscientemente ou não.
Não sabemos diferenciar o que é realidade e o que é ficção. Identifiquei estes aspectos em minha vida ao ler o livro. Aqui não irei fazer um resumo e, nem mesmo uma análise (isso eu já fiz, ou tentei fazer em um seminário essa semana na FACOM), apenas irei fazer um recorte do que mais me chamou a atenção disso tudo.
O conceito de amor foi distorcido. Totalmente modificado com o passar dos tempos. Ninguém mais se contenta em viver um amorzinho, todos estão em busca de uma história. Porém, se a ficção imita a vida, dando na maioria das vezes um happy end a história que não teria, quando projetamos esse plano imaginário nas nossas realidades, corremos o sério risco de nos frustrarmos. Não que eu esteja dizendo que na vida real não exista finais, meios e inícios felizes, estou apenas dizendo que é um risco muito grande procurar viver uma história que possivelmente não é a sua. (Não devemos nos esquecer dos roteiristas que tem o compromisso com o final feliz do filme, enquanto na vida, você ajuda a escrever sua história que também depende - em partes- do outro).

Outro recorte seria sobre a total mutação do conceito de amor.
Parece que o amor atual é assim: "Eu te amo se você me amar" e, nessa espera do outro, ficamos sempre sem amar profundamente, vivendo de "eus te amos"  superficiais para todo lado. Uma sociedade que fala muitos "eus te amos", mas que na realidade pouco ama de verdade.
"É um oceano de amor com um palmo de profundidade."
Outrora o amor era algo limpo, lindo, sutil, desinteressado e guerreiro. Hoje, o amor quer viver uma história sem enfrentar os problemas, sendo sujo, inescrupuloso e espera calorosamente por seu final feliz.

Eu, sinceramente, não entendo as pessoas do meu tempo! (Às vezes, não entendo a mim mesma).
Para finalizar, gostaria de deixar algo para vocês: procurem suas histórias, procurem quem vocês realmente são. Mergulhem em uma história própria e profunda, não se joguem de cabeça na piscina dos outros que, além de ser dos outros, pode ser rasa de mais e fazer com que quebrem a cara.


1 Coríntios 13

"Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.
E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.
E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.
O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.
Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;
Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;
Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá;
Porque, em parte, conhecemos, e em parte profetizamos;
Mas, quando vier o que é perfeito, então o que o é em parte será aniquilado.
Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.
Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido.
Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor."





Frase de rodapé:
 Veja o que Philip Yancey disse a respeito de Dostoiévski, depois que este teve uma experiência na prisão: “Veio a crer que apenas sendo amado, um ser humano se torna capaz de amar; ‘Nós o amamos porque ele [Deus] nos amou primeiro’, como diz o apóstolo João.” Vejo, com isso, que todos nós, seres humanos, temos em nossa essência a capacidade divina de amar.


Fonte: http://www.bibliaonline.com.br/acf/1co/13, acesso em 01/04/2011
          MORIN, Edgar. et. alii. Cultura de massa no século XX. O espírito do tempo. Rio de Janeiro, Forense.1969.208p
         Yancey, Philip.O Jesus que Eu Nunca Conheci. Editora Vida 5a impressão, 2002. Clique aqui para ler esse livro
 

*Fotos de outros blog's

Abraços,
Seyal Layes


O amor de Cristo foi até as últimas consequências!