Translate

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Retornando as origens da escrita pseudo expontânea

Penso que todo autor acaba, por vezes, retornando aos estágios de sua escrita, ainda que não seja de forma perfeita e idêntica por conta das alterações externas que ele possa ter sofrido no passar do tempo, mas ainda assim, aquela influência de algum tempo, o que muitos chamam de inspiração, pode retornar em dados momentos com intensidades bem semelhantes a que fora originalmente.
Eu, particularmente, quando procurava escrever no princípio do meu blog (talvez até do primeiro que eu tinha) escrevia de fatos cotidianos que discorria na minha existência, ou então de pequenas observações da vida e de um seriado que particularmente eu gosto muito, embora não tenha assistido ele completo e linearmente - One Tree Hill (Lances da Vida) de Mark Schwahn.
Geralmente eu fazia minhas postagens mais filosóficas em volta de temas, observações, ou mesmo análises que eu retirava dos trechos narrado pelo tradutor do Chad Machael Murray nas primeiras temporadas. Geralmente eu ficava nostálgica e depressiva e dali eu tirava uma epfania e escrevia a respeito, ou então me identificava e me laçava em alguma cena junto com o personagem para sentir as mesmas emoções que ele e assim, poder narrar de forma mais fidedigna possível o que estava passando por minha mente.
No decorrer das temporadas dessa série o final melancólico com uma mensagem final foi cortado, no entanto, a série em si nos faz pensar bastante em relação as atitudes de hoje como reflexo do  que éramos e construção do que seremos.
Assistindo a um episódio que acabou de ser passado na FOX da 7ª temporada pude perceber muitas coisas de todas as inseguranças humanas em relacionamentos observando apenas o incidente que estava ocorrendo com Natan e Haley. Bem resumidamente os dois não tinham tanta empatia um pelo outro no ensino secundário, porém acabaram namorando e Haley engravidando com 17 anos. Sem relacionar todos os inúmeros conflitos do casal e a problemática com Dan (pai de Natan), podemos dizer que o casal é um exemplo e o filho Jammes uma graça.
Nessa temporada Natan é acusado de ter engravidado uma fã abalando a relação casal. Haley que nunca tivera motivos de desconfiar do esposo sente-se ameaçada e ele diz algo no episódio anterior que me fez pensar, foi algo bem parecido com o que importava não era o fato dela pagar a chantagista para não levar o caso a público, o grande problema era que com isso ela acreditava na fã e provava que não confiava no que Natan sentia por ela e na confiança que ele pensava que ela tinha nele.
No episódio de hoje tudo se resolve e é comprovada a farsa da fã pelo pai de Natan que, enfim, resolve fazer algo bom da vida.
Isso me leva a pensar por uma linha, talvez um pouco diferente.
A traição não é somente o fato de ir ali e trair, mas tudo que ela representa. Ela transforma todas as verdades em mentiras e anula tudo que um dia pareceu ser a realidade, fazendo com isso, que toda aquela vida planejada venha realmente parecer um conto de fadas. A desconfiança é o primeiro passo para tudo dar errado, mas se há desconfiança houve algo antes, ainda que algo mal interpretado e que ninguém teve a coragem de corrigir.
A traição realmente mata tudo e faz parecer que tudo que tinha sido escrito até ali na história daquelas duas pessoas tinha sido uma perda de tempo e que naquele instante não serve para nada.
Natan ao cobrar confiança da esposa sabia o que estava pedindo e mostrava ser digno de tal sentimento, mas ele não poderia entrar na cabeça de Haley. Ela por fim resolve confiar e age certo.
Ao longo desse seriado eu aprendi muitas coisas, que atitudes nossas no ensino médio que parecem insignificantes no momento e até mesmo um pouco depois que ocorrem, podem mudar nossa trajetória por toda a vida. Mudar nossa forma de ver, pensar, agir e sentir dentro do mundo em que vivemos e que atitudes erradas, ainda que pareçam certas em determinados momentos, nós só veremos as consequências bem adiante.
A questão é ficar ligado e captar a mensagem de todos que tentam nos alertar de nossas atitudes, para quem quer ter um futuro é claro, pois quem vive de imediatismo, não quer saber do amanhã.
Consigo perceber as interferências e enxergar quais os caminhos que tomei até hoje e onde eles, possivelmente, levariam-me se eu não tivesse seguido outra rota e também consigo ver caminhos que eu nem tinha pensado mas que mudaram toda a minha forma de viver a vida.
Precisamos ser cautelosos.
Não digo que fiquei expert em viver a vida, mas creio que em relação a antes, hoje eu consigo calcular muito melhor os meus passos.
E uma das principais lições que aprendi: Nunca agir no calor da emoção. Precipitar pode arrancar a chance de caminhar e ser cabeça dura pode mudar a sua vida de uma forma que lá na frente você se torne um velhinho carrancudo de mal com tudo e com  todos.
Enfim galera, é isso.
Texto grande, mas espero ter acrescentado algo em vocês. De bom, é claro.
Seyal Layes.

*Foto de um flog

Nota: Ainda sou indignada com o fato do Lucas Scott não ter ficado com Brooke Davis

6 comentários:

  1. Há algum tempo eu escrevo poemas, e vc acredita que eu não sei qual é minha fonte de ispiração. Ainda não sei o que me incentiva escrever, mas eu escrevo mesmo assim...
    Gostei muito do seu blog, parabéns.

    ResponderExcluir
  2. "Nunca agir no calor da emoção"

    Depois que dizemos as coisas não podemos simplesmente, tentar voltar atrás e pedir desculpas.

    ResponderExcluir
  3. Your sweet moonbeam
    The smell of you in every single dream I dream
    I knew when we collided
    You're the one I have decided
    Who's one of my kind.

    Hey, soul sister
    Ain't that Mr. Mister
    On the radio, stereo
    The way you move
    Ain't fair you know

    Hey, soul sister
    I don't wanna miss
    A single thing you do
    Tonight

    Vide Tradução!!!

    Texto Ótimo!

    ResponderExcluir
  4. Valeu galera! Realmente muito obrigada a todos e realmente douglas sou sua irmã da alma! ;)
    Fiquem todos com as bênçãos do Senhor Jesus Cristo sobre a vida de vocês!

    ResponderExcluir
  5. Eu escrevo poesia.
    E, desde sempre, sei que gosto de escrever sobre algo que me deixa triste e, somente, quando eu sinto necessidade. Raramente escrevo quando estou feliz.
    Muitas vezes eu me inspiro em poesias passadas, principalmente quando me lembro de fatos que desencadearam aquela poesia, e fico com raiva ou triste novamente!



    :)

    ResponderExcluir
  6. Muito bom. Me deu uma saldade de Lances da Vida e dos temas narrados por Lucas.

    ResponderExcluir

Leu a postagem? Então não deixe de comentar. Abraços e que Jesus os abençoe, Elisa Macedo.