Translate

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Algo novo está acontecendo e é perceptível a todos, inclusive a mim. A principio causa estranheza, uma vez que a tristeza era quem fazia parte da paisagem e por tanto tempo que eu já não sentia dor por cultuá-la, parecia até que ela era alegre, porém vejo que era apenas o costume de tê-la por perto.
Agora, porém, vejo as coisas mais amplamente. É como se eu enxergasse um mundo gigante e um muro a longa distância e quando esse muro foi quebrado percebi que meus olhos não bastavam para ver tudo aquilo que  ainda tinha reservado no mundo para que eu viesse desbravar.
O mundo é sempre maior que nossa percepção. Não temos o direito de limitá-la.
A mudança, como já disse, deixa uma estranheza.
Quando a tristeza começa a ir embora parece que ela está chegando. É porque é como uma ferida que está ali todo dia sendo tratada e não maltratada (ou seja, retirada, porque quem cuida da ferida quer continuar ferido), por fim quando resolvemos deixar que ela se cure parece que ela acaba de ser feita. É como tirar a casca do machucado  para tirar as impurezas que podiam estar encobertas.
É assim, você dorme e acorda, almoça e janta com a tristeza e quando ela virou costume você quase não a percebe. Mas quando ela vai embora você sente ela ali de novo. Não se se estou conseguindo explicar...
É como se ela já fosse parte de você, porém algo novo, um raio de sol penetra na sua vida que é impossível a tristeza habitar em ti, ela começa a saltar de alegria e ai ela se torna visível novamente, parecendo que ela está chegando, sendo que está indo embora.
É! Eu a sinto, mas sinto que ela está saindo.
Igual o carrapato quando vai ser expulso da pele. Quando ele chega causa irritação, mas depois arruma um lugar para morar, só que quando retiramos ele é incrível a dor, mas... É para retirá-lo e matá-lo de vez.
Sem pena do carrapato! Sem pena da tristeza. Ambos vivem a custa de nosso sangue e eu tenho mais o que fazer com minha vida.
Tempos de glória se aproximam e eu estou me preparando dessa vez, bem mais do que das outras vezes... Dessa vez me preparo proque vai permanecer, então precisamos estar aptos a sermos receptivos as coisas boas da vida, elas são exigentes. O que é de ruim fica sem ser chamado, mas as coisas boas são, por serem boas, devidamente educadas.
Bom galera, vou lá da uma curtidinha num filminho básico.
Abraços e fiquem com Deus,
Seyal Layes

Nota: Tem gente que vive tanto tempo com a tristeza que passa a chamar ela de felicidade. Psicologia reversa ou não, sei que não funciona. Sempre falta algo quando não se é realmente feliz. Melhor parar de brincar de ser feliz e ser feliz de verdade não acham? Quem quiser se enganar que se engane, eu não quero perder minha vida e no final dela ver que perdi tempo com coisas que não me faziam feliz de verdade. Cada um escolhe o seu próprio caminho! Que bom. Melhor seria se Deus escolhesse por todos nós, mas tem toda essa parada de livre arbítrio néa?^^ Então... Cuidem do de vocês porque eu já estou cuidando do meu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leu a postagem? Então não deixe de comentar. Abraços e que Jesus os abençoe, Elisa Macedo.