Translate

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

"Só o trabalho dignifica o homem" boa frase para iniciar a postagem de hoje da qual irei explicitar de forma não tão direta o meu dia.

Vale à pena vasculhar.


Nessas conversas e acontecimentos da vida eu estava interagindo com meus amigos e colegas e acabei descobrindo coisas que passam muitas vezes despercebidas na nossa vida e, quando nos damos conta, na maioria das vezes já estamos no final dela.
As lutas que nos cercam a todo instante são justamente para nos fazer crescer, mesmo que venhamos estar nos sentindo o mais baixo do profundo poço. Acontece que só enxergamos que crescemos com determinados acontecimentos depois que já estamos fora de tal situação.
Como diria Adorno "Uma vida boa é feita de verdade", ou seja, não importa o quão maravilhosa seja sua fantasia, a vida só será realmente boa, ainda que com dificuldades, se você viver uma verdade.
Muitas pessoas não somente recebem uma sementinha para deixar brotar, acabam que recebem uma semente, um jardineiro, os melhores adubos, a melhor água o que parte dela é apenas o terreno (solo) para brotar o jardim. Acontece que muitas pessoas não querem compromisso com o que é certo, não querem seguir o que é difícil, não querem enfrentar e se libertar do senso comum e com isso abandonam o jardim iniciado juntamente com todos os aparatos para viver uma ilusão.
Usam como pretexto o fato de não terem sido felizes no jardim, mas de que te vale um lindo local se você está pensando na sujeira lá fora? De certa forma, ao pensar no sujo, no errado, no profano, você está vivendo e levando para onde vive tudo aquilo e com isso, realmente não será fácil ser feliz, ainda que esteja no paraíso.
Uma questão religiosa de grande relevância que nos auxilia a entender que os pensamentos contrários nos impedem de desfrutar do paraíso é que quando enfim estivermos em um lugar melhor, não iremos nos lembrar das aflições terrenas. Com isso, podemos deduzir que se lembrássemos, ainda que estivéssemos no melhor lugar do mundo, essas aflições nos impediriam de ser feliz.
Ou seja, o erro é o que você pensa.
Se você recebe alguma dádiva você precisa cuidar com amor, amor, muito amor. Não é entrar na primeira vez no jardim e cheirar todas as rosas, dar valor a cada pedaço, limpar o que o passarinho sujou e etc. E logo no segundo dia deixar de cuidar de algo, no terceiro ir diminuindo, no final de um ano você já não trata o jardim com o mesmo amor e espera o retorno com rosas belas. Não é assim.
A vida é uma troca.
E se tem amor, carinho, compreensão de ambas as partes tudo tem que sair perfeito e se não sair é porque alguém desviou o pensamento em algum momento e deixou que as mazelas de uma vida passada penetrasse o íntimo da situação destruindo todo um paraíso construído.
Os seres humanos vivem de relacionamentos e a cada insatisfação há uma troca.
Mas, mais importante que qualquer sentimento, para se manter uma relação amistosa entre duas pessoas, seja qual tipo de relação for, é necessário respeito, compreensão e diálogo, se estas coisas faltarem, de nada vale tudo que se tem dentro do âmago.
Hoje em dia vivemos em uma sociedade que faz você ter valor pelo que ela pensa que você é e não pelo que você realmente é. Sua essência deixou de ser importante e sim o que você passa para os outros.
Atualmente ter satisfação pessoal não é mais o que importa, você precisa mostrar essa satisfação para as demais pessoas, você precisa contar, correr, divulgar se não de nada valeu a sua conquista.
Vemos hoje a luta pela diferença. Todos querem ser diferentes para se destacar, mas acontece que a cada busca de uma nova distinção todos acabam convergindo para um ponto comum, o que significa que se tornam iguais. E o que vale mais? Ser feliz verdadeiramente ainda que com lutas, ou brincar de felicidade e ser vazio?
Hoje vejo que o vazio que eu sentia não era por que eu não era feliz. Eu era feliz. Acontece que eu tanto falei, mas não pratiquei uma frase minha "A felicidade não é um lugar para onde vamos e vivemos em felizes para sempre" a felicidade é contínua, você irá ter lutas, problemas, mas para ser feliz é preciso enfrentar.
O problema é quando a sua atitude depende de uma atitude alheia. O melhor exemplo que consigo encontrar para representar isso é a carteira de habilitação.
Você pode até ser um bom motorista, você pode calcular o que vai fazer, a velocidade que irá atingir, os lados que irá olhar, você pode ser perfeito no volante, mas sempre tem o fator 'outro'. E o outro? Você pode ser bom, calcular seus passos, mas como irá fazer o mesmo com a segunda ou terceira pessoa? De repente você está na sua mão, dirigindo tranquilinho e um anormal alcoolizado na contra mão bate no seu carro e estraga a sua vida.
É esse o grande problema.
Muitas vezes tomamos atitudes pensando em estar fazendo algo para dar certo e etc. mas, acontece que na maioria das vezes o fator 'outro' está vendo de uma outra forma e não quer compartilhar da mesma realidade que você, embora ambos saibam que o melhor é caminhar em conjunto.
Estava comentando com minha amiga hoje uma coisa e é verdade, quando você faz algo com amor e por amor você não mede esforços, o que acaba é quando você alcança o seu máximo objetivo, você para de trabalhar para aquela causa com coisa que as causas da vida são causas judiciais, que uma vez  ganhas, beleza!
Não. É preciso semear, perseverar e não pensar na retribuição, embora sempre se espere, mas quando você faz com amor você faz pensando "estou fazendo alguém feliz".
Semelhante a um relacionamento que tive, quando eu fazia as coisas eu não fazia por interesse, por querer algo em troca, ou para obter mérito (embora muitas pessoas atribuíssem e pensassem que eu me vangloriava, não era assim) o que eu fazia era pura e simplesmente por amo.
Será que alguém quando faz algo para quem ama pensa: "Estou fazendo isso tudo e irei ganhar um par de chifres na cabeça? Não serei digna nem de uma explicação educada." Claro que não! Se parássemos para pensar em todas as probabilidades, hipóteses e etc, não iríamos fazer absolutamente nada. Quando se ama se faz com amor e não com obrigação, por isso tudo é tão bom para quem faz, embora a tristeza de ver retribuição impeça o sorriso de ser esboçado.
Mas o que digo não deve ser levado apenas para o campo sentimental. É tudo na vida, amigos, família, tudo. Precisamos amar, nos entregar com atitudes as pessoas sem pensar que elas terão gratidão, ou irão continuar conosco mesmo depois que subirem, pois no final das contas a maioria das pessoas só nos enxergam como escadas - enquanto precisa de você elas te usam para subir, quando chegam no alto te deixam, isso quando não jogam a escada com você nela.
Mas não devemos pensar nem nisso, nem se serão ingratas. Não devemos cultivar piedade e sim amor, para que quem quer que esteja ao nosso lado tenha coragem de fazer por nós o mesmo que faríamos por elas e mesmo que não fizessem estaríamos conscientes de que a nossa parte, essa sim, foi feita decentemente.
Para finalizar todo o dia de hoje que foi grande, pelo visto, gostaria de fazer apenas mais uma ressalva: Devemos analisar o que fazemos, pois talvez não teremos muito tempo daqui pra frente. A sociedade nos molda de tal forma que no fim das contas nós não existimos, somos frutos das vontades alheias e na tentativa de fugir disso caímos em determinadas 'modinhas', que mesmo quando fogem para o lado contrário caem em outras 'modinhas' e no final somos todos modas dessa sociedade totalmente não civilizada.
Quanto mais se foge de ser igual, mais igual nos tornamos, a grande questão é saber se vale realmente a pena perder quem amamos e quem nos ama para viver uma realidade ficcional dentro da vida real. Uma atitude nossa muda tudo. Exigimos de mais que os outros sejam o que queremos, mas não fazemos o mínimo para ser o que os outros desejam.
Esse é o pensamento do dia galera, foi longo mas é isso.
Faça a sua parte, eu apoio essa idéia.
Abraços e fiquem com Deus.
Seyal Layes.
Nota: Amanhã preciso postar sobre o fator de ateísmo na sociedade, se aparecer outra coisa 'mais importante' para postar eu empurro essa postagem para frente, mas garanto, essa será boa, ah e já ia esquecendo a da música do Daniel, também tenho que postar essa, muito boa para quem curte heavy metal que eu aprendi a gostar no sábado :D é o que eu digo, tudo é uma questão de quem mostra e como mostra e não só de quem está sendo apresentado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leu a postagem? Então não deixe de comentar. Abraços e que Jesus os abençoe, Elisa Macedo.