Translate

sábado, 10 de julho de 2010

A percepção




É tão ruim ter que aceitar que existem pessoas que entram em nossas vidas com um único intuíto: Sair.
Por mais forte que venhamos sergurá-las, o máximo que conseguimos é aumentar o seu tempo de permanência conosco, mas dificilmente conseguiremos fazê-las ficar conosco. E o pior de tudo não é perdê-las cedo de mais e sim deixá-las partir depois de acostumarmos com suas presenças.
É tão significativo.
É tão duro, frio e vazio... É algo que narrativamente é inexplicável, mas sentir é totalmente compreensível.
Amarramos elas a nós, fazemos de tudo para que elas façam o mínimo necessário para estar conosco e ainda assim parece que não adianta nada... no final seremos apenas seres sozinhos, frios e vazios, sem companhia e lamentando ter perdido tanto tempo dedicado a quem sabíamos que iria um dia.
Mas afinal, todos se vão.
Alguns por querer, outros sem pedir e poucos sem sentir, mas no fim todos se vão. Ainda que o fim esteja apenas, ou seja apenas o começo, sempre se vão e deixam aquela lácuna totalmente perceptivel por quem entra na nossa vida e sente que nós nunca estamos completos, que sempre está faltando algo por mais que se doem a nós e o culpado de muitas pessoas sairem de nossas vidas, na maioria das vezes sem dizer adeus, somos nós mesmos.
Essa é a percepção, nada por aqui é para sempre.
Assim como a alegria um dia passou, a tristeza também irá passar, essa é a engrenagem da minha frieza para manter a minha alma viva sem se ferir mais do que já sangra diariamente pelas calçadas escuras dessas ruas de pedra que é a vida.
Eu sou sensível, no entanto apenas com a minha própria dor. Espero mudar um dia, mas apenas espero.
Descobri-me presa em um metrô com as luzes piscando e as pessoas que amo e ainda estão comigo sumindo e aparecendo junto com os raios dessa luz que vai se enfraquecendo a cada segundo e na escuridão só ficam os fantasmas do meu passado dizendo "Amo você Lisa!" com uma rosa na mão, mas sem a mínima pretenção de provar, afinal, defuntos não provam nada e sim nós os vivos que provamos todos os dias o amargo sabor da saudade.

Nota do dia: Ainda me sinto vazia.

*Fading - Decyfer Down / Believe - Skillet*

Um comentário:

  1. Não se sinta-se vazia, porque com esse monte de textos otimos que vc tem pra gente ler, não podem vir do vazio !
    Parabens !

    ResponderExcluir

Leu a postagem? Então não deixe de comentar. Abraços e que Jesus os abençoe, Elisa Macedo.