Translate

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Pensamentos loucos do dia




Acho que às vezes o meu pai vê em mim o filho homem que nenhum dos meus irmãos foram pra ele e minha mãe não se importava muito com o filho ser homem ou mulher, então não deu muita importância ao fato de eu vir a ser o Joãozinho do meu pai, desde que eu arrumasse a cozinha sem reclamar, tudo feito.

O negócio é que não aconteceu nada de especial essa semana, mas pensando em fatos da vida que poderiam ocorrer eu parei para pensar nessa realidade há alguns minutos atrás.

Eu sempre fui a filha que ficava batendo a bomba de graxa pro meu pai, fazendo de tudo pra ele me ensinar a trocar o pneu, cobrava três reais para ajudar a dobrar a lona (nem mercenária), lavava o carro, soltava pipa, fazia meu pai me dar dinheiro para comprar figurinha pros álbuns (inclusive foram para esses fins que minha primeira nota de cinco reais foi empregada, lembro-me como se fosse hoje), ia pra igrejinha subia morro e vezes ou outra eu realmente fingia ser um homenzinho para chamar a atenção dele.

Um dia me dei conta de que eu era a menina. Que eu levava os beliscões e meu pai ria das piadas mais sem graça do mundo que meus irmãos contavam só porque às vezes eles tinham um lapso de família e resolviam falar com meu pai sem pedir o dinheiro antes, ou imediatamente.

Quando comecei a namorar e parei para sentar e conversar com o meu pai eu pude perceber que ali ele viu que eu tinha crescido e que possivelmente eu nunca mais estaria só de calcinha atrás dele pedindo pra subir no caminhão, ou então para andar em cima dos pés dele ou tentar me enfiar dentro da caça e sermos os humanos siameses.

Lembro-me de um dia que meu pai me pegou fazendo pipi em pé no vaso (kkkk), ele ficou horrorizado, eu era bem pequena, mas foi engraçado. Lembro também da vez que ele e minha mãe iam ir ao centro da cidade e eu sismadona queria ir também, não me recordo se eles não queriam me levar, o que sei é que eu estava dentro do carro sentada no banco de trás quase me jogando em cima do freio de mão quando falei: “Pai tô de cueca!” e levantei os bracinhos e meu vestido mostrou a cueca do meu pai em mim.

Eles fazem questão de me lembrar da minha primeira briga como “gente” com meu pai, não sei quantos anos eu tinha, mas eu falei pra ele que quando eu tivesse “a minha identidade e o dinheiro de papel eu iria sair de casa”. E olha eu aqui!

Às vezes tenho surtos e me lembro do meu pai em pé no lugar onde deveria ser a porta de madeira do banheiro parado para nos defender do vento que embocou na minha casa quando eu era criança e tudo era simples e de telha, que nessas horas estavam voando pela vizinhança.

Lembro do meu pai mendigando beijinho falando “vai dar beijinho no pipito não?” e eu falava “50 conto!”

Lembro que eu olhava pra ele e pedia 10 centavos e ele ficava muito bravo, como ainda fica quando eu peço mais de 20 reais. Ele vivia me dizendo e vez ou outra ainda fala que vai comprar pra mim um burro que caga dinheiro: “Você vai rodar o rabo igual uma manivela e vai plaft-plaft-plaft seu dinheiro caindo”.

Lembro dele todo dia, mas todo dia mesmo, desde os meus 14 anos falando:

“Papai não quer que você namore não é porque papai não gosta de você, mas é porque o papai pensa no seu futuro e se você arrumar um namorado pode atrapalhar tudo que você sempre lutou pra ter.”

Tinha vezes que ele falava e eu até repetia em pensamento.

Mas ai ele via minha cara e falava:

“Mas se você tiver namorando me conta ta?”

Kkkkk

Vai entender!

Lembro de mim até os 12 anos de idade me vestia igual as moças da abertura das novelas das 21h da globo (foi tempo én?) e ficava dançando fazendo marmota na sala, ou então cantando ou imitando alguém e meu pai chorava de rir.

Gostava de fazer Maria Chiquinha nele e até que ficava bonitinho, hoje tadinho, ele ta ficando carequinha kkkkkkk.

Meu pai já brigou muito comigo. Eu já falei coisas pra ele que ele não merecia de verdade ter ouvido e principalmente de mim, mas eu sei que nunca me calei ao dizer que amo ele.

Sabe, minha mãe é minha heroína, o meu exemplo de vida, de superação, de persistência e de várias coisas. Mas acabei descobrindo nesses anos que eu tenho muita coisa do meu pai, inclusive a ignorância e o desespero para as horas de pânico.

Eu sei que estava pensando nas idades deles e parece que às vezes eu acho que só eu cresci, só eu fiquei velha... Mas não. Meu pai já vai fazer quase 60 anos (55 para ser exata)! Lembro de mim zoando ele falando : “Poxa pai o senhor tem meio século” ai ele brincando ainda me tirava: “Que bom quanto mais velho sinal que estou vivendo muito e com saúde minha filha”.

É engraçado.

Agora meu pai senta comigo, escuta as coisas que tenho para falar, que aprendi na igreja, na escola e até sobre meu namorado ele pergunta.

É legal ver que em algumas coisas meu pai mudou e foi pra melhor. Hoje eu percebo que ele não fala, mas ele sabe que eu sempre fui o poodlezinho atrás dele implorando atenção e só agora ele pode me dar.

Até mesmo quando ele brigava comigo e muitas vezes por coisas que não tinha feito eu saia de casa pensando “Você vai ver, agora vou ser a filha que você quer ter!” Mas, não conseguia fazer nada de errado, porque eu pensava: “poxa, mais uma decepção pro meu pai e pra minha mãe tadinha!”

Eu vejo a cara do meu pai de bobo feliz quando eu chego com um diploma novo em casa, minha mãe ainda dá um desdém porque ela sabe que eu sou identicamente semelhante a ela, ela não fica enchendo minha bola porque ela já sabe, mas eu vejo ainda nos olhos do meu pai o mesmo que via quando ele pegava minhas provas e ia se exibir pro José Walter.

E ele pode até brigar comigo e me irritar amanhã ou depois, mas se tem algo que ele disse pra mim um dia quase chorando e eu nunca vou esquecer:

“Sabe, você anda sendo o meu orgulho!”

Eu sei que ele ainda vai continuar me proibindo de ir a muitos lugares e fazer várias coisas, implicar com meu namoro e dizer que namorar é bom depois dos 25, 30 anos quando eu já estiver independente (desse jeito vou estar independente mesmo roeiurioeur), sei que ele vai implicar com minhas roupas e ficar marcando no relógio a hora que eu tenho que chegar em casa. Ele não vai abaixar a guarda! Mas eu sei que se daqui a uns 10 anos quando eu for tudo aquilo que Deus e eu sonhamos para mim, serei a prova mais viva do mundo de que meus pais não foram fracassados.

PAI DIZ: Você pede muito dinheiro menina, vou arrumar um burro que caga nota de 100 pra você.

LIS DIZ: Uai pai, quem mandou me ter?

PAI DIZ: óooooooooooooooooooo me respeita! Kkkkkkkkkkkkkkkkkk

OBS: Qualquer pessoa que demore mais de 10 minutos no banho meu pai grita "Ao banzin gostoso", se for eu que estiver no banheiro retorno "Maravilhoso!" se for minha mãe... (deixemos para a próxima postagem, o assunto será extenso!)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leu a postagem? Então não deixe de comentar. Abraços e que Jesus os abençoe, Elisa Macedo.