Translate

domingo, 29 de novembro de 2009

INVERSÃO


É tão ruim se decepcionar com as pessoas. Tem coisas que agente vê que doi mais na alma do que uma facada ao acertar o seio. Principalmente quando se tem memória e quando se consegue pensar, viver as sensações do momento, sem reviver as emoções que te fizeram transbordar no momento. É incrível como o ser humano nos surpreendem quando querem chamar nossa atenção. É incrível como nos deixamos sentir abalados por cenas semelhantes mesmo tanto tempo (nem tanto assim) depois. Eu só me pergunto por que tudo isso aconteceu. Eu sei que foi como uma gota de neve, um floquinho que caiu no topo de uma montanha de sentimentos, causou a queda de um bloquinho de neve, que no descer da montanha foram se juntando a outros e no final virou aquela bola que quase nos esmagou. Eu só sei que aquela cena não quer sair da minha cabeça, foi uma das mais ruins que já vi até hoje. Estou profundamente ferida. Doí pensar, mas tenho sangue frio o suficiente, para relembrar, reviver sem deixar cair uma lágrima novamente de meus olhos, por que eu faria isso? Sem motivo. Poderia, ou pode, até ter motivos, mas do que iria adiantar? O fato aconteceu e isso é real. O problema é as consequências que essa imagem pode deixar na mente fragilizada como a minha, acostumada a se decepcionar com as pessoas que jamais pensou que um dia poderiam me abandonar e agora... e agora parece que tudo virou àgua. Eu sei que ainda tem algo de sólido, mas a imagem quebra. Por que fez isso? Já sabe que sou diferente das outras pessoas, que chamar minha atenção nunca irá chamá-la, apenas convidá-la a sair de cena, assim como sai. O problema é que nunca volta ao normal não é mesmo? Aquilo vai estar sempre ali me cutucando em algum momento da minha vida... Por que eu insisto em fazer isso? Por que eu insisto em ter memória enquanto todo mundo esquece que escarrou na cara de alguém, eu sempre me lembro de cada guspe que foi lançado sobre minha face? Claro que haverá uma superação, mas ainda doí. Muito... Foi um corte profundo. Eu disse, faça nada e eu te amarei, faça menos ainda e terá me dado motivos suficientes para sofrer. Eu mesma vejo o que aconteceu como "nada", mas é inevitável ver e rever aquilo tudo como um momento triste, como o momento em que meu castelo de areia, tão idealizado, de tanta perfeição, de tudo que fiz com carinho vir ao chão por conta de uma (literal) binga que caiu no lugar errado e fez tudo ir ao chão. É inevitável ver que por um momento eu pensei ter me enganado, e doí muito para mim que sempre me engano descobrir que mais uma vez eu não fui surpreendida com um "Ah há... dessa vez você se enganou por que não foi enganada!" Por que eu tenho que sempre ver o por do sol quando o dia está começando a ficar lindo? Por que aquelas memórias do inexistente, do antigo ainda rondam minha mente? Sabe doí imaginar que ainda está em algum lugar, eu sei que não está, mas doí. Eu quero parar de pensar assim, eu estou tentando, mas a cada decepção parece que eu ainda sinto em algum lugar. É horrível e é ruim, por que eu não quero mais. Perdi um ano da minha vida sendo enganada e pior de tudo, por mim mesma, que a todo tempo sabia de tudo que estava acontecendo e ainda assim deixou levar a situação... por que? se eu tivesse parado esse jogo talvez hoje eu estivesse vendo alguns pequenos fatos da minha vida com tão pouca importância, talvez com mínima importância que merecem, no lugar de ficar vendo como gigantes armados contra mim. Por que tanto tempo depois eu ainda insisto em pensar nisso? É sempre assim, a dor é esperta, ela espera apenas aquele momento de fragilidade para trazer a tona as memórias que o coração não conseguiu apagar. Talvez o que você julga pequeno para mim seja grande. "Nunca julgue vil o que é tão importante para seu irmão. Para mim é importante poder confiar em alguém. Saber que independente de estarem comigo ou não serão bons do mesmo jeito. Para mim é bom saber que o que eu fiz não foi só por fora, mas por dentro também. Saber que quando eu precisar partir não haverá mudanças novamente, permanecerão bons... Será que só são bons por minha causa? Mas eu não sou tão boa assim! Eu também sou fraca e o que mais faço é chorar, nem que seja de rir. Eu sei que quando alguém volta a inversão faz meus dias choverem de novo, e acho que hoje depois de algum tempo é o primeiro dia que chove e eu estou com muita vontade de chover junto. Quero chorar! Sozinha dessa vez, como sempre fazia antes... chorar sozinha em meu canto, com minha dor, individualista, só comigo mesma, apenas eu e Deus, no meu quarto, no escuro, no claro, chorando, pensando, pedindo, sendo sincera e buscando a felicidade que eu tanto insisto em encontrar, ou os momentos felizes que preciso juntar para ser feliz. Isso é pedir de mais?

Don't say goodbye Não diga adeus
Cause I don't wanna hear those words tonight Porque eu não quero ouvir estas palavras esta noite
Cause maybe it's not the end for you and I Porque talvez este não é o fim para você e eu
And although we knew E apesar de sabermos
This time would come for me and you Que este tempo viria para mim e você
Don't say anything tonight Não diga coisa nenhuma esta noite
If you're gonna say goodbye Se você for dizer adeus

Eu só não quero que doa o quanto doeu. Eu só não quero sofrer de novo tudo que já vivi... tudo que já passei, embora não tenha contado. Mas tem coisas que agente não precisa saber para não fazer, ferir os outros mesmo sem querer é uma dessas coisas, eu ainda te amo, mas me amo também e não quero passar pelo mesmo mar de lágrias outra vez e pelo mesmo motivo. Pelo menos você é real e por isso o cuidado deve ser dobrado.


*"Say Goodbye - Skillet"

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leu a postagem? Então não deixe de comentar. Abraços e que Jesus os abençoe, Elisa Macedo.